9 de novembro de 2013

Honra não se compra: conquista-se






Butch and plane 1










DUAS HISTÓRIAS REAIS

Primeira                                                                                                                  
Muitos anos atrás, Al Capone possuía virtualmente Chicago. Capone não era  famoso por nenhum ato heróico. Ele era notório por empastar a cidade com  tudo relativo a contrabando, bebida, prostituição e assassinatos.         
                                                                          
Capone tinha um advogado apelidado "Easy Eddie". Era o seu advogado por um excelente motivo: Eddie era muito bom! Na realidade, sua habilidade,  manobrando no cipoal legal, manteve Al Capone fora da prisão por muito tempo. Para mostrar seu apreço, Capone lhe pagava muito bem. Não só o  dinheiro era grande, como Eddie também tinha vantagens especiais.         
                                                                          
Por exemplo, ele e a família moravam em uma mansão protegida, com todas as conveniências possíveis. A propriedade era tão grande que ocupava um  quarteirão inteiro em Chicago. Eddie vivia a vida da alta roda de   Chicago,mostrando pouca preocupação com as atrocidades que ocorriam à sua volta.                                                             
                                                                          
No entanto, Easy Eddie tinha um ponto fraco. Ele tinha um filho que amava  afetuosamente. Eddie cuidava que seu jovem filho tivesse o melhor de tudo: roupas, carros e uma excelente educação. Nada era poupado. Preço não era  objeção. E, apesar do seu envolvimento com o crime organizado, Eddie  tentou lhe ensinar o que era certo e o que era errado. Eddie queria que  seu filho se tornasse um homem melhor que ele. Mesmo assim, com toda a sua riqueza e influência, havia duas coisas que ele não podia dar ao filho:   ele não podia transmitir-lhe um nome bom ou um bom exemplo.               
                                                                          
Um dia, o Easy Eddie chegou a uma decisão difícil. Easy Eddie tentou corrigir as injustiças de que tinha participado. Ele decidiu que iria às autoridades e contaria a verdade sobre Al "Scarface" Capone, limpando o  seu nome manchado e oferecendo ao filho alguma semelhança de integridade.  Para fazer isto, ele teria que testemunhar contra a quadrilha, e sabia que o preço seria muito alto. Ainda assim, ele testemunhou.                   
                                                                          
Em um ano, a vida de Easy Eddie terminou em um tiroteio em uma rua de  Chicago. Mas aos olhos dele, ele tinha dado ao filho o maior presente que  poderia oferecer, ao maior preço que poderia pagar. A polícia recolheu em  seus bolsos um rosário, um crucifixo, uma medalha religiosa e um poema,  recortado de uma revista. 
                                                
O poema:
                                                                  
                                                                      
O relógio da vida recebe corda apenas uma vez e nenhum homem tem o poder de decidir quando os ponteiros pararão, se mais cedo ou mais tarde.  
                                             
Agora é o único tempo que você possui.                                    
Viva, ame e trabalhe com vontade.                                         
Não ponha nenhuma esperança no tempo, pois o relógio pode parar a qualquer momento.                                                         
                                                                          
História Número Dois                                                      
                                                                          
A Segunda Guerra Mundial produziu muitos heróis. Um deles foi o Comandante Butch O'Hare. Ele era um piloto de caça, operando no porta-aviões Lexington, no Pacífico Sul. Um dia, o seu esquadrão foi enviado em uma  missão.
                                                              
                                                                          
Quando já estavam voando, ele notou pelo medidor de combustível que alguém tinha esquecido de encher os tanques. Ele não teria combustível suficiente para completar a missão e retornar ao navio. O líder do vôo instruiu-o a   voltar ao porta-aviões. Relutantemente, ele saiu da formação e iniciou a   volta à frota. Quando estava voltando ao navio-mãe viu algo que fez seu   sangue gelar: um esquadrão de aviões japoneses voava na direção da frota   americana.                                                                
                                                                          
Com os caças americanos afastados da frota, ela ficaria indefesa ao  ataque. Ele não podia alcançar seu esquadrão nem avisar a frota da aproximação do perigo.                                                    
                                                                           
Havia apenas uma coisa a fazer. Ele teria que desvia-los da frota de  alguma maneira. Afastando todos os pensamentos sobre a sua segurança pessoal, ele mergulhou sobre a formação de aviões japoneses. Seus canhões de calibre 50, montados nas asas, disparavam enquanto ele atacava um   surpreso avião inimigo e em seguida outro. Butch costurou dentro e fora da
formação, agora rompida e incendiou tantos aviões quanto possível, até que sua munição finalmente acabou. Ainda assim, ele continuou a agressão.
     
Mergulhava na direção dos aviões, tentando destruir e danificar tantos  aviões inimigos quanto possível, tornando-os impróprios para voar. 
      
                                                                          
Finalmente, o exasperado esquadrão japonês partiu em outra direção.       
                                                                          
Profundamente aliviado, Butch O'Hare e o seu avião danificado se dirigiram para o porta-aviões. Logo à sua chegada ele informou seus superiores sobre o acontecido. O filme da máquina fotográfica montada no avião contou a  história com detalhes. Mostrou a extensão da ousadia de Butch em atacar o  esquadrão japonês para proteger a frota. Na realidade, ele tinha destruído cinco aeronaves inimigas. 
                                                
                                                                          
Isto ocorreu no dia 20 de fevereiro de 1942, e por aquela ação Butch se  tornou o primeiro Ás da Marinha na WW II, e o primeiro Aviador Naval a receber a Medalha Congressional de Honra. No ano seguinte Butch morreu em  combate aéreo com 29 anos de idade. Sua cidade natal não permitiria que a  memória deste herói da WW II desaparecesse, e hoje, o Aeroporto O'Hare, o  principal de Chicago, tem esse nome em tributo à coragem deste grande  homem. 
                                                                   
                                                                          
Assim, na próxima vez que você passar no O'Hare International, pense nele  e vá ao Museu comemorativo sobre Butch, visitando sua estátua e a Medalha  de Honra. Fica situado entre os Terminais 1 e 2.                         
                                                                 
Mas afinal, o que essas duas histórias têm de comum entre elas?           
    
                                       
Butch O'Hare era o filho de Easy Eddie !!!.

Recebi as histórias por e-mail.

3 de novembro de 2013

Programa MAIS JUÍZES









Devido ao longo tempo necessário para o Judiciário julgar os casos de corrupção, por uma evidente falta de juízes e também para acabar com os intermináveis recursos, além de modificar o Código Processual como fez com a legislação do CRM, a presidenta poderia agir como no caso dos médicos:

Contratar juízes estrangeiros, dispensando-os do exame de Ordem e do exame de admissão à Magistratura.

Seriam ótimos os juízes chineses, japoneses, árabes, que até cobram as balas para fuzilamento de condenados, cortam as mãos de ladrões, etc. 

E manda-los para todo o Brasil, principalmente para as regiões mais carentes como Brasília, Maranhão, Alagoas, para avaliar os gastos da Copa, mensalões, dinheiro na cueca, verbas e demais desvios, dos quais Ele e Ela nunca sabem de nada.

O que acham da ideia ?

Recebi por e-mail.