27 de julho de 2012

ADVOGADOS - ERROS DE PORTUGUÊS



CRÉDITO IMAGEM - facebook.com



Não posso deixar de reproduzir no meu blog, que é lido por muitos estudantes de Direito, a notícia veiculada no site Jus Brasil: "Desembargadora repreende advogados por erros de português em petição".
 
Vamos ao texto na íntegra:
 

Erros de língua portuguesa nunca são bem recepcionados, é verdade. No entanto, quem é profissional do direito é especialmente exigente com relação a isso. E com razão: saber lidar bem com a sua língua é o pressuposto (básico) para qualquer argumentação.

Todavia, devido ao ensino deficiente nas faculdades de direito, não é muito difícil localizar erros grotescos na prática forense.

Durante o julgamento de um recurso, ao se deparar com vários erros de português, a desembargadora Sirley Abreu Biondi do TJ/RJ não se omitiu: "Insta ser salientado que os advogados que assinaram as contra-razões necessitam com urgência adquirir livros de português de modo a evitar as expressões que podem ser consideradas como injuriosas ao vernáculo".

A peça continha erros claros de ortografia, como: "em fasse", "não aciste razão", "doutros julgadores" e "cliteriosamente", devidamente sinalizados e corrigidos pela magistrada.

A desembargadora não parou por aí e prosseguiu com a lição, mas dessa vez sobre o conteúdo jurídico da peça: "acrescenta-se ainda que devem os causídicos adquirir também livros de direito, à medida que nas contra-razões constam 'pedidos' como se apelação fosse, o que não tem o menor cabimento".

Mesmo depois de uma boa aula, os advogados não se deram muito bem: a magistrada negou provimento ao recurso.

Fonte:


Nota deste blog:

O Estatuto da Advocacia e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Lei 8.906/94, estabelece no seu Art. 34, inciso XXIV, estabelece que o advogado que incidir em erros reiterados que evidenciem inépcia profissional poderá ser suspenso e, neste caso, a suspensão perdurará até que se preste novas provas de habilitação.

Erros de português reiterados caracterizam inépcia profissional.

26 de julho de 2012

LÍNGUA ESTRANGEIRA - APRENDA DE GRAÇA



Crédito Imagem - jangadeiroonline.com.br



O site Universia, link abaixo, dá uma excelente dica para quem quer aprender uma língua estrangeira e não possui recursos para arcar com as mensalidades de uma escola.

No site são disponibilizados mais de 100 links onde você poderá escolher a língua que quer aprender.

Vale a pena acessar.

http://noticias.universia.com.br/destaque/noticia/2012/07/19/951774/101-links-aprender-qualquer-idioma-graca.html

24 de julho de 2012

21 de julho de 2012

CONFUSÃO MENTAL DOS IDOSOS


´Crédito Imagem - papoterapeutico.blogspot.com


Principal causa da confusão mental no idoso

Arnaldo Lichtenstein, médico

Sempre que dou aula de clínica médica a estudantes do quarto ano de
Medicina, lanço a pergunta:

- Quais as causas que mais fazem o vovô ou a vovó terem confusão mental?

Alguns arriscam: *"Tumor na cabeça".

Eu digo: "Não".

Outros apostam: "Mal de Alzheimer"

Respondo, novamente: "Não".

A cada negativa a turma se espanta... E fica ainda mais boquiaberta quando enumero os três responsáveis mais comuns:

- diabetes descontrolado;
- infecção urinária;
- a família passou um dia inteiro no shopping, enquanto os idosos ficaram em casa.

Parece brincadeira, mas não é. Constantemente vovô e vovó, sem sentir sede, deixam de tomar líquidos.

Quando falta gente em casa para lembrá-los, desidratam-se com rapidez.
A desidratação tende a ser grave e afeta todo o organismo. Pode causar confusão mental abrupta, queda de pressão arterial, aumento dos batimentos cardíacos ("batedeira"), angina (dor no peito), coma e até morte.

Insisto: não é brincadeira.
Na melhor idade, QUE COMEÇA AOS 60 ANOS, temos pouco mais de 50% de água no corpo. Isso faz parte do processo natural de envelhecimento.
Portanto, os idosos têm menor reserva hídrica.
Mas há outro complicador: mesmo desidratados, eles não sentem vontade de tomar água, pois os seus mecanismos de equilíbrio interno não funcionam muito bem.

Conclusão:
Idosos desidratam-se facilmente não apenas porque possuem reserva hídrica menor, mas também porque percebem menos a falta de água em seu corpo. Mesmo que o idoso seja saudável, fica prejudicado o desempenho das reações químicas e funções de todo o seu organismo.

Por isso, aqui vão dois alertas:

1 - O primeiro é para vovós e vovôs: tornem voluntário o hábito de beber líquidos. Por líquido entenda-se água, sucos, chás, água-de-coco, leite, sopa, gelatina e frutas ricas em água, como melão, melancia, abacaxi, laranja e tangerina, também funcionam. O importante é, a cada duas horas, botar algum líquido para dentro. Lembrem-se disso!

2 - Meu segundo alerta é para os familiares: ofereçam constantemente
líquidos aos idosos. Ao mesmo tempo, fiquem atentos. Ao perceberem que estão rejeitando líquidos e, de
um dia para o outro, ficam confusos, irritadiços,fora do ar, atenção. É quase certo que sejam sintomas decorrentes de desidratação.

"Líquido neles e rápido para um serviço médico".

(*) Arnaldo Lichtenstein (46), médico, é clínico-geral do Hospital das
Clínicas e professor colaborador do Departamento de Clínica Médica da
Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP).

Crédito:
Recebi por e-mail de Djalma, Mogi das Cruzes, SP.

20 de julho de 2012

ENSINO SUPERIOR - 38% ALUNOS NÃO SABEM LER E ESCREVER PLENAMENTE








Manifesto sobre o nível de conhecimento dos alunos que ingressam no ensino superior



Prezados senhores,


Sobre recentes matérias publicadas nos últimos dias no jornal O Estado de S.Paulo – “No ensino superior, 38% dos alunos não sabem ler e escrever plenamente” e “Analfabetos na universidade” –, o Fórum das Entidades Representativas do Ensino Superior Particular vem a público tecer algumas observações que considera pertinentes.

São frequentes os questionamentos sobre a qualidade do ensino superior particular no país, muito embora pouco se discuta acerca das distorções e peculiaridades do setor da educação como um todo. 

Como é do conhecimento público, apenas uma minoria – 20 % da população de estudantes do país – consegue cursar o ensino médio nas melhores escolas, se preparando adequadamente para passar no vestibular e acessar as poucas vagas oferecidas pelas universidades públicas. Os outros 80% vêm, em grande parte, do ensino médio público – cujos problemas são amplamente conhecidos –, tendo que competir no vestibular, em condições desfavoráveis, com uma minoria bem preparada.

Nesse contexto, a importância das instituições privadas é inegável, particularmente no segmento de ensino superior, ofertando a maioria das vagas e sendo responsáveis por formar 7 em cada 10 universitários deste país. O ensino superior particular é o responsável por, há mais de cinquenta anos, ter começado a mudar um cenário em que a classe média brasileira não tinha qualquer possibilidade de acesso à educação superior neste país.

Por conta das lacunas na formação proporcionada pelo atual ensino médio – reflexo também da educação básica –, grande parte dos alunos que atinge o ensino superior acaba tendo dificuldade em acompanhar o ritmo de estudos que é exigido nas universidades. Para recuperar esse universo de alunos, as instituições privadas vêm desenvolvendo uma série de soluções, como a introdução de disciplinas para reforçar conceitos e aulas extraordinárias de nivelamento de conhecimentos. Muitas destas instituições oferecem de forma gratuita aos alunos, especialmente os dos primeiros períodos da graduação, as disciplinas em que há maior insuficiência de base. 

Não temos dúvidas da seriedade do trabalho que tem sido feito por muitas instituições particulares de ensino superior para mudar a vida destes milhares de brasileiros, bem como de sua importância no desenvolvimento econômico e social do país. Devolvemos à sociedade um indivíduo com formação acadêmica, preparado para uma vida profissional condigna. Nesse contexto, é justo que a sociedade cobre o ensino superior privado pela qualidade do aluno que conclui a graduação e recebe o diploma universitário. Não pela qualidade do aluno que estas instituições recebem do ensino médio.

As instituições de ensino superior privadas do nosso país não apenas contribuíram para a correção de uma lacuna histórica. Contribuem, também, para a inclusão social e ascensão profissional de uma grande parcela da população brasileira.

Fórum das Entidades Representativas do Ensino Superior Particular.

Crédito:

Publicado no site da ABMES - Associação Brasileira de Mantenedores de Ensino Superior. 

CURIOSIDADES DA NOSSA LÍNGUA PORTUGUESA



Crédito Imagem - ipam.ro.gov.br


JURAR DE PÉS JUNTOS: 

 Mãe, eu juro de pés juntos que não fui eu. A expressão surgiu através das torturas executadas pela Santa Inquisição, nas quais o acusado de heresia tinha as mãos e os pés amarrados (juntos) e era torturado para dizer nada além da verdade. Até hoje o termo é usado pra expressar a veracidade de algo que uma pessoa diz.

MOTORISTA BARBEIRO:

 Nossa, que cara mais barbeiro! No século XIX, os barbeiros faziam não somente os serviços de corte de cabelo e barba, mas também, tiravam dentes, cortavam calos etc., e por não serem profissionais, seus serviços mal feitos geravam marcas. A partir daí, todo serviço mal feito era atribuído ao barbeiro, pela expressão "coisa de barbeiro". Esse termo veio de Portugal, contudo a associação de "motorista barbeiro", ou seja, um mau motorista, é tipicamente brasileira.

TIRAR O CAVALO DA CHUVA:

 Pode ir tirando seu cavalinho da chuva porque não vou deixar você sair hoje! No século XIX, quando uma visita iria ser breve, ela deixava o cavalo ao relento em frente à casa do anfitrião e se fosse demorar, colocava o cavalo nos fundos da casa, em um lugar protegido da chuva e do sol. Contudo, o convidado só poderia pôr o animal protegido da chuva se o anfitrião percebesse que a visita estava boa e dissesse: "pode tirar o cavalo da chuva". Depois disso, a expressão passou a significar a desistência de alguma coisa.

DAR COM OS BURROS N'ÁGUA:

 A expressão surgiu no período do Brasil colonial, onde tropeiros que escoavam a produção de ouro, cacau e café, precisavam ir da região Sul à Sudeste sobre burros e mulas. O fato era que muitas vezes esses burros, devido à falta de estradas adequadas, passavam por caminhos muito difíceis e regiões alagadas, onde os burros morriam afogados. Daí em diante o termo passou a ser usado pra se referir a alguém que faz um grande esforço para conseguir algum feito e não consegue ter sucesso naquilo.

GUARDAR A SETE CHAVES:

 No século XIII, os reis de Portugal adotavam um sistema de arquivamento de jóias e documentos importantes da corte através de um baú que possuía quatro fechaduras, sendo que cada chave era distribuída a um alto funcionário do reino. Portanto eram apenas quatro chaves. O número sete passou a ser utilizado devido ao valor místico atribuído a ele, desde a época das religiões primitivas. A partir daí começou-se a utilizar o termo "guardar a sete chaves" para designar algo muito bem guardado.

OK:
A expressão inglesa "OK" (okay), que é mundialmente conhecida para significar algo que está tudo bem, teve sua origem na Guerra da Secessão, no EUA. Durante a guerra, quando os soldados voltavam para as bases sem nenhuma morte entre a tropa, escreviam numa placa "0 killed" (nenhum morto), expressando sua grande satisfação, daí surgiu o termo "OK".

ONDE JUDAS PERDEU AS BOTAS:
Existe uma história não comprovada, de que após trair Jesus, Judas enforcou-se em uma árvore sem nada nos pés, já que havia posto o dinheiro que ganhou por entregar Jesus dentro de suas botas. Quando os soldados viram que Judas estava sem as botas, saíram em busca delas e do dinheiro da traição. Nunca ninguém ficou sabendo se acharam as botas de Judas. A partir daí surgiu à expressão, usada para designar um lugar distante, desconhecido e inacessível.

PENSANDO NA MORTE DA BEZERRA:
A história mais aceitável para explicar a origem do termo é proveniente das tradições hebraicas, onde os bezerros eram sacrificados para Deus como forma de redenção de pecados. Um filho do rei Absalão tinha grande apego a uma bezerra que foi sacrificada. Assim, após o animal morrer, ele ficou se lamentando e pensando na morte da bezerra. Após alguns meses o garoto morreu.

O PIOR CEGO É O QUE NÃO QUER VER:
Em 1647, em Nimes, na França, na universidade local, o doutor Vicent de Paul D`Argent fez o primeiro transplante de córnea em um aldeão de nome Angel. Foi um sucesso da medicina da época, menos pra Angel, que assim que passou a enxergar ficou horrorizado com o mundo que via. Disse que o mundo que ele imaginava era muito melhor. Pediu ao cirurgião que arrancasse seus olhos. O caso foi acabar no tribunal de Paris e no Vaticano. Angel ganhou a causa e entrou para a história como o cego que não quis ver.

ANDA À TOA:
Toa é a corda com que uma embarcação reboca a outra. Um navio que está à toa é o que não tem leme nem rumo, indo pra onde o navio que o reboca determinar.

QUEM NÃO TEM CÃO, CAÇA COM GATO:

 Na verdade, a expressão, com o passar dos anos, se adulterou. Inicialmente se dizia quem não tem cão caça como gato, ou seja, se esgueirando, astutamente, traiçoeiramente, como fazem os gatos.
 
NHENHENHÉM:

 Nheë, em tupi, quer dizer falar. Quando os portugueses chegaram ao Brasil, os indígenas não entendiam aquela falação estranha e diziam que os portugueses ficavam a dizer "nhen-nhen-nhen".

VAI TOMAR BANHO:

 Em "Casa Grande & Senzala", Gilberto Freyre analisa os hábitos de higiene dos índios versus os do colonizador português. Depois das Cruzadas, como corolário dos contatos comerciais, o europeu se contagiou de sífilis e de outras doenças transmissíveis e desenvolveu medo ao banho e horror à nudez, o que muito agradou à Igreja. Ora, o índio não conhecia a sífilis e se lavava da cabeça aos pés nos banhos de rio , além de usar folhas de árvore pra limpar os bebês e lavar no rio as redes nas quais dormiam. Ora, o cheiro exalado pelo corpo dos portugueses, abafado em roupas que não eram trocadas com frequência e raramente lavadas, aliado à falta de banho, causava repugnância aos índios. Então os índios, quando estavam fartos de receber ordens dos portugueses, mandavam que fossem "tomar banho".

ELES QUE SÃO BRANCOS QUE SE ENTENDAM:

 Esta foi das primeiras punições impostas aos racistas, ainda no século XVIII. Um mulato, capitão de regimento, teve uma discussão com um de seus comandados e queixou-se a seu superior, um oficial português... O capitão reivindicava a punição do soldado que o desrespeitara. Como resposta, ouviu do português a seguinte frase: "Vocês que são pardos, que se entendam ". O oficial ficou indignado e recorreu à instância superior, na pessoa de D. Luís de Vasconcelos (1742-1807), 12° vice-rei do Brasil. Ao tomar conhecimento dos fatos, D. Luís mandou prender o oficial português que estranhou a atitude do vice-rei. Mas, D. Luís se explicou: "Nós somos brancos, cá nos entendemos".
 
ÁGUA MOLE EM PEDRA DURA, TANTO BATE ATÉ QUE FURA:

 Um de seus primeiros registros literário foi feito pelo escritor latino Ovídio (43 a.C. - 18 d.C), autor de célebres livros como "A arte de amar" e "Metamorfoses", que foi exilado sem que soubesse o motivo. Escreveu o poeta: "A água mole cava a pedra dura". É tradição das culturas dos países em que a escrita não é muito difundida formar rimas nesse tipo de frase para que sua memorização seja facilitada. Foi o que fizeram com o provérbio, portugueses e brasileiros.

Crédito:
Recebi por e-mail de Walter Monaco, São Paulo, Capital.

19 de julho de 2012

Imagine se ele estivesse "armado"








Passageiro barrado em aeroporto por suspeita de levar revólver "embaixo da calça" 


Um homem que é conhecido por ter ´o maior pênis do mundo´ foi parado por agentes da TSA (Administração da Segurança em Transportes dos EUA, na sigla em inglês) no Aeroporto Internacional de San Francisco, California, sob suspeita de que estivesse escondendo um revólver 38 ou outra arma.
“É apenas o meu pênis” - disse Jonah Falcon
, que em 2009 foi festejado pelo recorde, de suportamente, possuir do maior pênis do mundo.

"O agente policial me revistou por baixo, chegou até a apalpar o pênis com as mãos. Eles até colocaram um pó em minhas calças, provavelmente era um teste para explosivos. Eu achei engraçado” - contou Jonah ao jornal Huffington Post.

Jonah Falcon, que já trabalhou como ator, disse que não estava com o pênis ereto no momento, mas
seu órgão genital - em estado adormecido - de quase 23 cm provocou suspeitas suficientes para uma alerta e uma revista completa.

Ele não perdeu o voo porque a inspeção não durou mais do que dois minutos.

“Eu achava que os agentes de segurança de San Francisco já tinham experiência com essas coisas, mas pelo jeito, não”, brincou o ex-ator.

Mais detalhes

* "Eu estava com o meu ´pacote´ bem tranquilo e colocado para o lado esquerdo. Um dos guardas chegou em mim e perguntou se eu estava com os bolsos vazios e eu respondi que sim. Um outro guarda chegou e perguntou se eu tinha alguma espécie de supercrescimento" - disse o artista ao ser entrevistado por uma rádio de São Francisco.

"Foi nessa hora que eu comecei a dar risada e, por muito pouco, não fui detido" - complementou.

* Depois disso, Falcon foi encaminhado para o scanner de corpo todo em que todas as dúvidas foram sanadas.

* O homem não está no Guinness - Livro dos Recordes, mas é só porque a categoria em que ele é o maioral não é considerada pela publicação.

Fonte:

www.espacovital.com.br

18 de julho de 2012

BOLHA DE SABÃO



Crédito Imagem - a-c-o-r-d-a-d-a.blogspot.com


O artigo que abaixo reproduzimos é um alerta ao povo brasileiro. Iludido pela campanha avassaladora do governo, o consumismo exagerado de hoje nos trará muita dor de cabeça no futuro. Leia e tire as suas próprias conclusões.

Vamos ao artigo:


O Rei Juan Carlos esteve com a presidente Dilma esta semana.


Fico imaginando a chefe de estado do Brasil a dizer ao chefe de estado da Espanha: "Eu sou você, amanhã", tal como na propaganda de vodka.


Não é difícil chegar a essa conclusão. A crise na Espanha começou quando se decidiu que a expansão imobiliária seria uma solução maravilhosa para o crescimento do país: criaria emprego na construção civil ao mesmo tempo em que resolveria do problema da habitação. Empregou-se muita gente e estrangeiros começaram a chegar aos milhares para atender à demanda de mão-de-obra. Tijolo e concreto se tornaram sinônimos de riqueza. Áreas verdes foram cobertas por construções, assim como o cinturão verde de muitas cidades.



Em poucos anos, o preço do metro quadrado disparou e o boom da construção atraiu especuladores. O metro quadrado da habitação subiu mas os salários não. Os bancos, para manter a roda circulando, baixaram exigências para financiamentos, não se importando com a renda do financiado nem com as garantias. Imaginaram que se o imóvel estava se valorizando tanto, se o devedor não pudesse pagar, venderia o imóvel por mais preço e ainda sobraria dinheiro. E ofereceram crédito para comprar casa, carro, móveis, eletrodomésticos, viagens... A dívida se tornou fator de crescimento.
Mas aí, estourou a bolha dos Estados Unidos. Os espanhóis se retraíram, o consumo caiu, vieram as demissões e se descobriu que o país se sustentava tirando do futuro; nunca houve realmente riqueza nem subida na escala social.


Você que me lê, e percebe as semelhanças, bata na madeira para torcer que por aqui não aconteça o mesmo. Os sinais são alarmantes: o PIB brasileiro do primeiro trimestre deste ano, segundo o IBGE, aumentou apenas dois décimos por cento(0,2%). A inflação vai crescer o dobro do PIB neste ano.
Na Veja desta semana, a excelente Lya Luft chama de "ilusão" o que está acontecendo no Brasil. Ela mostra como também estamos sacando do futuro. "Palavras de ordem nos impelem a comprar, autoridades nos pedem para consumir, somos convocados a adquirir o supérfluo, até danoso, como botar mais carros em nossas ruas atravancadas ou em nossas péssimas estradas...Estamos enforcados em dívidas impagáveis, mas nos convidam a gastar ainda mais, de maneira impiedosa, até cruel."- escreveu ela.

Nossa bolha está inchada.


E é de sabão.

Crédito:

Recebi por e-mail. Texto atribuído a Alexandre Garcia.

Horário Eleitoral Gratuito – mas você é quem paga!!!





Crédito Imagem - Lucio - Humor da Terra- www.espacovital.com.br


        Para desespero da maioria dos cidadãos brasileiros vai começar novamente o chamado horário eleitoral gratuito.

        Como é chamado de gratuito, muitas pessoas imaginam que  as emissoras de rádio e TV arcam com o custo da cessão de seus horários para tal propaganda.

        Ledo engano.

        Quem paga somos nós, eleitores ou não, pois tais emissoras irão receber, por meio de isenção de impostos, o pagamento que lhes é devido.

        Diante disso, somos obrigados a pagar por aquilo que não queremos ver ou ouvir.

        Vejam o excelente artigo que foi hoje publicado no site Espaço Vital a respeito da questão:


Fonte:

www.espacovital.com.br


Empresas lucram com uso de cadáveres humanos




Imagem da reportagem - link abaixo citado





        A notícia de que autoridades ucranianas descobriram ossos e outros tecidos humanos amontoados em caixas refrigeradas num micro-ônibus. Entre as partes de corpos, encontraram envelopes cheios de dinheiro e relatórios de autópsia em inglês. Tais materiais seriam utilizados por indústrias produtos médicos, um negócio crescente que faz empresas lucrarem transformando restos mortais em tudo, de implantes dentários a material para reduzir rugas.

        Se isso está ocorrendo em países considerados de primeiro mundo, fica nossa indagação: e no Brasil, isso também já não está correndo sem que seja noticiado?

        Leia a notícia no link abaixo:




 Fonte:
Folha de São Paulo

17 de julho de 2012

Serviços masculinos eróticos




Charge de Gerson Kauer


A operadora do Direito, sem filhos, saída há seis meses do seu segundo casamento, resolve participar de um evento jurídico em São Paulo, que se realizaria na quinta e sexta-feiras. Justamente pensando "naquilo" - a que fora atraída por anúncios de acompanhantes - decide ir dois dias antes e se hospeda num hotel quatro estrelas.

Instala-se, desfaz a mala, toma um banho e prepara o contato com um dos serviços que oferecia "atendimento masculino erótico". Então, cuidadosamente disca: 9 ... ... ... ... ... ... ...

- Boa noite, aqui Jeferson. Em que posso ajudar? - atende uma voz masculina.

- Eu procuro uma sessão de sexo, para hoje à noite. Quero fantasias! Busco um homem carinhoso, forte, másculo, que use acessórios, seja criativo, mas não tolero violências...

- Pois não, senhora - tenta atalhar a mesma voz masculina. Devo lhe dizer que...

A hóspede continua com o seu jeito verbal de comandar:

- Será possível começar com uma sessão de geléia? Ou você tem uma idéia mais caliente? Outra coisa: gostaria de acertar o preço agora.

- Na verdade, me parece emocionante, senhora. Mas, para chamadas externas, é necessário discar o número zero primeiro - responde a mesma voz, que era do... recepcionista do hotel!

No dia seguinte, o funcionário informa o fato ocorrido ao chefe de recursos humanos da organização, que é justamente um gaúcho. Em questão de horas, via MSN, ele conta tudo, tim-tim por tim-tim a um advogado amigo, no Sul.

Então meia Porto Alegre jurídica fica sabendo da história do "sexo delivery".

* * * * 

PS - Não mandem e-mails perguntando a exata profissão da hóspede. O Espaço Vital não vai informar.

Fonte:
www.espacovital.com.br

 
Nota deste blog:
Para aqueles que não militam na área do Direito um esclarecimento: operadora de Direito tanto pode ser uma advogada, como uma juíza, promotora de justiça, desembargadora, ou seja, todas aquelas profissionais que exercem uma carreira decorrente da formação em Direito.

16 de julho de 2012

The Beatles


FANTÁSTICO

Crédito Imagem - munccrew.com





Uma hora e 20 minutos com imagens, clips e musicas dos Beatles na versão do
álbum Love do espetáculo de mesmo nome do Cirque de Soleil.

http://www.youtube.com/watch?v=0Ag3XbD2p6E&feature=related

Agora veja esse = 10 horas de Beatles !!!


Crédito:

Recebi por e-mail de Wladimir Polimeno, Mogi das Cruzes, SP.

SURFISTAS - BOA NOTÍCIA





Crédito Imagem - www-espacovital.com.br



Uma boa notícia para os surfistas. As companhias aéreas não podem cobrar em excesso o transporte de suas pranchas. Leia a notícia que foi publicada no site Espaço Vital.


Condenação da Tam por cobrança abusiva pelo transporte de pranchas 



A 11ª Câmara Cível do TJRS condenou a Tam a restituir em dobro os valores pagos por dois surfistas gaúchos para que suas pranchas de surfe fossem transportadas em viagem de ida e volta entre o Brasil e o Peru. O desembolso deles foi de U$ 807.

O julgado definiu que "a cobrança da tarifa questionada pelos passageiros não encontra respaldo nas normas de serviço de transporte aéreo internacional".

Para entender o caso

* Bruno de Borba Vieira e Tiago Cansi Matte ingressaram com ação de cobrança cumulada com repetição de indébito por danos materiais e morais contra a Tam Linhas Aéreas alegando que adquiriram passagens aéreas de ida e volta à cidade de Lima, no Peru. Na data do embarque, foram informados que deveriam pagar taxa extra de US$ 75 por cada uma das seis pranchas de surfe que levavam, embora não excedessem o limite de peso da bagagem para viagem internacional. Tiveram que desembolsar US$ 450.

* Os autores também afirmaram que as pranchas foram embaladas em conjunto numa capa especial para o tipo de bagagem, cujo peso totalizava 29 quilos, e assim reclamaram no chck in que se tratava de cobrança indevida e ilegal. Embarcaram e passaram os dias de suas férias contando o
dinheiro que possuíam, razão pela qual resolveram se desfazer de uma prancha cada um a fim de evitar novos constrangimentos no retorno ao Brasil.

* Cada uma das pranchas foi vendida por R$ 200, quando uma prancha nova custa cerca de R$ 700. Disseram que deixaram de viajar para Machu Picchu em razão do gasto do dinheiro para o embarque das pranchas, e que, por ocasião do retorno, desembolsaram o valor de US$ 357 para o transporte das quatro pranchas restantes, com peso total de 20 quilos.

* Os surfistas reportaram-se às Normas de Serviços Aéreos Internacionais – NOSAI.

* A Tam contestou afirmando que a cobrança da taxa de transporte de prancha de surfe possui expressa previsão contratual, da qual os autores ficaram cientes no momento da aquisição das passagens aéreas. "A prancha de surfe não pode ser considerada bagagem normal em razão de suas dimensões e espaço físico que ocupa nos porões da aeronave, e também não faz parte da franquia" - sustentou a empresa.

A sentença, em 1º Grau, proferida pelo juiz Pedro Luiz Pozza foi pela improcedência dos pedidos.

Decisão do TJRS

No entendimento do desembargador Luiz Roberto Imperatore de Assis Brasil, a cobrança da tarifa de bagagem questionada pelos recorrentes não encontra respaldo nas normas de serviço de transporte aéreo internacional.

“A regulamentação aplicável está disposta na Norma de Serviço Aéreo Internacional (NOSAI) nº CT – 012, que determina a observância obrigatória, pelas companhias aéreas, do ‘sistema de peso’”, diz o voto. “O regramento estabelece as franquias de bagagens despachadas permitidas pelo peso, sem fazer distinção no que diz com os volumes e suas dimensões. Tampouco prevê a possibilidade de cobrança de tarifa específica para o transporte de pranchas de surfe” - prossegue.

O relator sustentou que a cobrança de tarifa pelo transporte de bagagem especial – prancha de surfe – nos vôos operados pela Tam até o Peru dependia de prévia aprovação da ANAC, o que, ante a ausência de prova em contrário, não ocorreu.

“Não bastasse isso, a prova testemunhal evidencia que a empresa despendeu tratamento desigual para seus passageiros, cobrando de cada um diferentes valores pelos mesmos equipamentos desportivos”, acrescentou o julgado.

A 11ª Câmara Cível decidiu que deverão ser restituídos os valores desembolsados pelos autores para o pagamento das tarifas extras de bagagem – R$ 1,05 mil e R$ 860. A repetição ocorrerá na forma dobrada (parágrafo único do art. 42 do CDC). Os valores serão corrigidos monetariamente pelo IGP-M desde os desembolsos, e acrescidos de juros de mora de 1% desde a citação.

Mas a Câmara negou provimento aos pedidos de indenização pelos supostos danos materiais decorrentes da venda das pranchas, bem como pelos danos morais.

O advogado Lucas Nunes da Silva atuou em nome dos surfistas. (Proc. nº 70047085170 - com informações do TJRS e da redação do Espaço Vital).

Fonte:

www.espacovital.com.br

14 de julho de 2012

DIA INTERNACIONAL DO HOMEM - 15 DE JULHO








Crédito Imagem - colunadorato.com





Hoje, quinze de julho, é o Dia Internacional do Homem! 


Estou certo que poucos homens e nenhuma mulher sabem disso. Pelo menos não recebi qualquer cumprimento!!!


Consta que esse dia começou a ser comemorado em 1999 e foi criado pelo Dr. Jerome Teelucksingh, de Trinidade e Tobago. Em diversos países, essa comemoração ocorre no dia 19 de novembro. O Dia Internacional do Homem é reconhecido pela ONU e tem como principais objetivos melhorar a relação entre os gêneros, promover a igualdade entre os sexos, destacar papéis positivos de homens, combater o sexismo, celebrar as conquistas e contribuições dos homens para comunidade, para a família e para o casamento.


Vou comemorar sozinho, já quem ninguém me cumprimentou.

13 de julho de 2012

Trocar muito de emprego é bom?








Cada vez mais jovens se tornam propensos a trocar empregos. Esse é um sintoma da Geração Y e dos jovens latino americanos.

Se por um lado existe aquele tipo de profissional que fica uma vida inteira numa empresa, existe aquele que vive pulando de “galho em galho”.


Você não precisa ter um perfil de trabalhador japonês (conhecidos por ficar a vida inteira numa empresa), mas também não é bom trocar de emprego a cada novo semestre. O ideal, dizem os especialistas, é ter pelo menos uma experiência de trabalho que dure mais de um ano no seu currículo.


Isso demonstra comprometimento com a empresa e com o trabalho desenvolvido. Do contrário, aos olhos do avaliador, você pode parecer uma pessoa inconstante e sem compromisso. Se você é do tipo que gosta de pular de “galho-em-galho” é bom ficar atento.


Por mais que as
empresas hoje em dia estejam mais abertas e esse tipo de profissional, afinal, o mercado é bem dinâmico, é bom não evidenciar essa sua instabilidade. Uma dica é colocar no currículo apenas os anos e não as datas de suas experiências de trabalho. Dessa forma se você trabalhou numa empresa de junho a setembro de 2011, coloque apenas o ano de 2011 para relatar o período.


Claro que durante uma
entrevista de emprego o entrevistador pode perguntar, mas pelo menos você já terá pulado uma fase. É essencial que você diga a verdade, mas não evidencie. Lembre-se que a troca constante de emprego é mais tolerada hoje em dia, mas nem por isso chega a ser uma qualidade. Nunca se gabe disso numa entrevista e tente falar o mínimo possível sobre ela. 

Crédito:
Thiago Foresti - Empregos.com.br



(*) - Artigo publicado com autorização expressa de Lilian Oliveira, Marketing & Conteúdo de comunicação do site Empregos.com.br


Vale a pena trabalhar em casa?






Cada vez mais comum, os Home Office despertam curiosidade e perguntas sobre diretos e deveres. 



Sonho e desejo de muitos profissionais, o Home Office, ou seja, trabalhar em casa é cada vez mais comum nas empresas. Mas você sabe quais são os direitos e deveres de quem opta por essa modalidade de trabalho?


Segundo o Centro de Orientação Fiscal (Cenofisco) quem trabalha em casa tem exatamente os mesmos direitos que os profissionais que trabalham na empresa, com exceção, é claro, do vale transporte, uma vez que não serão feitos deslocamentos até o local de trabalho.


Um estudo sobre tele-trabalho no Brasil revelou que 23,2% da população adulta em atividade, o que corresponde a um em cada quatro brasileiros, adota este tipo de trabalho ao longo do mês de alguma forma.


Um terço deles (8,1%) exerce o trabalho virtual quase diariamente. Trabalhar em casa é a forma mais popular da modalidade, com 52% de adesão dos entrevistados, com destaque para pessoas com alto poder aquisitivo, da Classe A. A pesquisa foi realizada pelo instituto de opinião pública Market Analysis.


Quem puxa essa modalidade de trabalho são as pequenas e médias empresas. Ter um funcionário trabalhando a partir de casa é sempre uma boa opção para essas empresas, pois economizam em tempo e espaço, além de despesas como vale-transporte e aluguel de sedes e prédios.


É uma modalidade de trabalho que vale a pena não só para a empresa, mas também para o funcionário, principalmente em cidades grandes, como São Paulo, onde o deslocamento diário é sempre difícil. Uma dica é ter um local de trabalho dentro de casa e se desligar de suas atividades caseiras durante o horário de trabalho
.

Crédito:
Thiago Foresti - Empregos.com.br



(*) - Artigo publicado com autorização expressa de Lilian Oliveira, Marketing & Conteúdo de comunicação do site Empregos.com.br

 


11 de julho de 2012

PLANOS DE SAÚDE E O RESPEITO AO DIREITO DO CONSUMIDOR





Crédito Imagem - editorart.wordpress.com



          

Desconheço pessoas que nunca tiveram problemas com o seu plano de saúde. Portanto, recomendo a leitura do artigo publicado no link abaixo – Uol – Notícias – Economia.

O governo suspende a comercialização de 268 planos de saúde de 37 operadoras.

Será que agora o consumidor será respeitado?



Os prazeres da vida envelhecem








 

Um médico estava fazendo sua caminhada matinal quando viu essa velhinha sentada no degrau da varanda, fumando um cigarro. 

Curioso, ele perguntou: 

"Não pude deixar de notar como a senhora parece satisfeita com a vida! 

Qual o seu segredo?" 

"Eu fumo três maços de cigarros por dia" ela respondeu. 

"Não tenho hora pra dormir e antes de ir pra cama eu fumo um grande baseado. 

Fora isso, eu bebo uma garrafa de pinga a cada 3 dias e só como besteiras, porcarias, nada de proteínas, carboidratos, legumes,verduras, essa baboseira toda. 

E nos finais de semana, tomo pílulas, faço sexo adoidado e nenhuma porra de exercício físico." 

E o médico muito espantado: "Isso é extraordinário! Quantos anos a senhora tem?" 

"Trinta e quatro..."


Crédito:

Recebi por e-mail de Caio Celso, Garça,SP.


 

MELHOR IDADE!!!








Prazeres da melhor idade


Melhor idade é a puta que te pariu - a melhor idade é de 18 aos 40
 anos... 

 A voz em Congonhas anunciou: "Clientes com necessidades especiais, crianças de colo, melhor idade, gestantes e portadores do cartão tal terão preferência etc.". Num rápido exercício intelectual, concluí que, não tendo necessidades especiais, nem sendo criança de colo, gestante ou portador do dito cartão, só me restava a "melhor idade" - algo entre os 60 anos e a morte.

 Para os que ainda não chegaram a ela, "melhor idade" é quando você pensa duas vezes antes de se abaixar para pegar o lápis que deixou cair e, se ninguém estiver olhando, chuta-o para debaixo da mesa. Ou, tendo atravessado a rua fora da faixa, arrepende-se no meio do caminho porque o sinal abriu e agora terá de correr para salvar a vida. Ou quando o singelo ato de dar o laço no pé esquerdo do sapato equivale, segundo o João Ubaldo Ribeiro, a uma modalidade olímpica.

 Privilégios da "melhor idade" são o ressecamento da pele, a osteoporose, as placas de gordura no coração, a pressão lembrando placar de basquete americano, a falência dos neurônios, as baixas de visão e audição, a falta de ar, a queda de cabelo, a tendência à obesidade e as disfunções sexuais. Ou seja, nós, da "melhor idade", estamos com tudo, e os demais podem ir lamber sabão.

 Outra característica da "melhor idade" é a disponibilidade de seus membros para tomar as montanhas de Rivotril, Lexotan e Frontal que seus médicos lhes receitam e depois não conseguem retirar.

 Outro dia, bem cedo, um jovem casal cruzou comigo no Leblon. Talvez vendo em mim um pterodáctilo da clássica boemia carioca, o rapaz perguntou:

"Voltando da farra, Ruy?". Respondi, eufórico: "Que nada!

 Estou voltando da farmácia!". E esta, de fato, é uma grande vantagem da "melhor idade": você extrai prazer de qualquer lugar a que ainda consiga ir.

 Primeiro, a aposentadoria é pouca e você tem que continuar a trabalhar para melhorar as coisas. Depois vem a condução.

 Você fica exposto no ponto do ônibus com o braço levantado esperando que algum motorista de ônibus te dê uns 60 anos.

 Olha... a analise dele é rápida. Leva uns 20 metros e, quando para, tem a discussão se você tem mais de 60 ou não.

 No outro dia entrei no ônibus e fui dizendo:

 - "Sou deficiente".

 O motorista me olhou de cima em baixo e perguntou:

 - "Que deficiência você tem?"

 - "Sou broxa!"

 Ele deu uma gargalhada e eu entrei.

 Logo apareceu alguém para me indicar um remédio. Algumas mulheres curiosas ficaram me olhando e rindo...

 Eu disse bem baixinho para uma delas:

 - "Uma mentirinha que me economizou R$ 3,00, não fica triste, não"

 Bem... fui até a pedra do Arpoador ver o por do sol.
Subi na pedra e pensei em cumprir a frase. Logicamente velho tem mais dificuldade. Querem saber?

 Primeiro, tem sempre alguém que quer te ajudar a subir: "Dá a mão aqui, senhor!!!"

 Hum, dá a mão é o cacete, penso, mas o que sai é um risinho meio sem graça.

 Sentar na pedra e olhar a paisagem.

 É, mas a pedra é dura e velho já perdeu a bunda e, quando senta, sente os ossos em cima da pedra, o que me faz ter que trocar de posição a toda hora.
Para ver a paisagem não pode deixar de levar os óculos se não, nada vê.

 Resolvo ficar de pé para economizar os ossos da bunda e logo passa um idiota e diz:

 - "O senhor está muito na beira pode ter uma tontura e cair."

 Resmungo entre dentes: ... "só se cair em cima da sua mãe"... mas, dou um risinho e digo que esta tudo bem.

 Esta titica deste sol está demorando a descer, então eu é que vou descer, meus pés já estão doendo e o sol nada.

 Vou pensando - enquanto desço e o sol não - "Volto de metrô, é mais rápido..."

 Já no metrô, me encaminho para a roleta dos idosos, e lá esta um puto de um guarda que fez curso, sei eu em que faculdade, que tem um olho crítico de quem consegue saber a idade de todo mundo.

 Olha sério para mim, segura a roleta e diz:

 - "O senhor não tem 65 anos, tem que pagar a passagem."

 A esta altura do campeonato eu já me sinto com 90, mas, quando ele me reconhece mais moço, me irrompe um fio de alegria e vou todo serelepe comprar o ingresso.

 Com os pés doendo fico em pé, já nem lembro do sol, se baixou ou não dane-se. Só quero chegar em casa e tirar os sapatos...

 Lá estou eu mergulhado em meus profundos pensamentos, uma ligeira dor de barriga se aconchega... Durante o trajeto não fui suficientemente rápido para sentar nos lugares que esvaziavam...

 Desisti... lá pelo centro da cidade, eu me segurando, dei de olhos com uma menina de uns 25 anos que me encarava... Me senti o máximo.

 Me aprumei todo, estufei o peito, fiz força no braço para o bíceps crescer e a pelanca ficar mais rígida, fiquei uns 3 dias mais jovem.

 Quando já contente, pelo menos com o flerte, ela ameaçou falar alguma coisa, meu coração palpitou.

 É agora...

 Joguei um olhar 32 (aquele olhar de Zé Bonitinho), ela pegou na minha mão e disse:

 - "O senhor não quer sentar? Me parece tão cansado?"

 Melhor Idade??? Melhor idade é a puta que te pariu!


Crédito:

Rui de Castro?...pode ser!
(o tipo de letra grande, vai ajudar você!)

Recebi por e-mail de Anna Sylvia Moresi, São Paulo, Capital.

10 de julho de 2012

VÍRUS PODEROSO - CUIDADO





O DIA JÁ PASSOU. O RISCO AINDA NÃO.

LEIA COM ATENÇÃO.


Quase 250 mil usuários de computadores podem ficar sem acesso à Internet no mundo todo, nesta segunda-feira (9) por causa de um software malicioso usado num golpe que as autoridades dos Estados Unidos disseram ter desbaratado. O alerta feito pela Agência Reuters, em Boston, foi publicado ontem por diversos grandes jornais do mundo.

Alguns blogs e reportagens deram grande ênfase ao risco de um "apagão" na Internet. Mas especialistas dizem que apenas uma pequena fração dos computadores está sob risco, e que os provedores de acesso estarão atentos para restaurar rapidamente o serviço em caso de problemas.

Segundo eles, a ameaça é pequena em comparação a outros vírus mais difundidos, como o Zeus e o SpyEye, que infectam milhões de PCs e são usados para fraudes financeiras.


Até sexta-feira passada (6), cerca de 245 mil computadores no mundo todo continuavam infectados pelo "Alureon" e seus "parentes", segundo a firma de segurança Deteque. Isso inclui 45.355 computadores nos Estados Unidos.

Os vírus são programados para redirecionar o tráfego de Internet para servidores
DNS controlados por criminosos, segundo o FBI. Servidores DNS são ferramentas que distribuem o tráfego da Internet.

Quando as autoridades derrubaram os servidores "bandidos", um juiz federal
de Nova York determinou que os servidores temporários fossem mantidos enquanto as máquinas das vítimas eram consertadas.

Os servidores temporários foram desativados à 0h01 desta segunda-feira (1h01 em Brasília), o que significa que computadores que não tenham sido consertados até lá não poderão mais acessar a Internet.

Alguns provedores dos Estados Unidos, como AT&T e Time Warner Cable, adotaram soluções temporárias para que seus clientes possam acessar a Internet usando o endereço dos servidores DNS dos criminosos.

Informações sobre como identificar e limpar infecções podem ser encontradas em um saite criado por
um grupo de empresas de segurança e outros especialistas:

http://www.dcwg.org .
Os Estados Unidos abriram processo contra sete pessoas por orquestrarem a fraude mundial na Internet. Seis delas foram presas na Estônia, e a sétima, que vivia na Rússia, continua foragida. O governo estoniano já extraditou dois dos homens para Nova York.


As dicas de um técnico

O técnico em Informática Jorge Borcelli, que presta serviços ao Espaço Vital, dá orientações:

Já vinha há algum tempo pegando este vírus em alguns de meus clientes. Mas o mais importante - que se sabe só agora - é que este tipode vírus redireciona o acesso de alguns saites originais para saites falsos, aparentemente iguais aos originais. A manobra objetiva capturar contas, usuários, senhas etc.

Então, quem for afetado por este ´apagão´ deve verificar os saites que acessou anteriormente - principalmente contas de bancos - para providenciar a troca de senhas após o computador ter sido revisado, limpo e o antivírus atualizado.

Nesses casos, sugiro um saite bem simples, que testa na hora o DNS do computador:



Fonte:



PRESIDENTE ASSIM AQUI NÃO TEMOS.





Quem está a bordo deste Fusquinha é o presidente de um país

Publicado em junho 16, 2012


Todos os dias ele embarca no seu Fusquinha azul de estimação, de 1.300 cilindradas(foto), e toma o rumo de seu pequeno sítio Rincón del Cerro, nos arredores de Montevidéu, onde vive com a mulher, senadora da República – que é a proprietária da área. A casa é discretamente vigiada por dois seguranças. No fim do mês, quando recebe o salário de US$ 12,5 mil de presidente do Uruguai, José Pepe Mujica separa US$ 1,25 mil e doa o restante, cerca de 90%, a pequenas empresas e Organizações Não-Governamentais que trabalham com habitações populares.

- Este dinheiro me basta, e tem que bastar porque há outros uruguaios que vivem com menos – costuma repetir este uruguaio de maneiras simples, 77 anos, que, em reportagem do jornal espanhol El Mundo, foi chamado de “o presidente mais pobre do mundo”.

Além de sua casa no pequeno sítio, seu único patrimômio é o Fusca avaliado em pouco mais de mil dólares. Como transporte oficial, em vez dos carrões com ar-condicionado dos demais presidentes, ele usa um Corsa. Sua mulher, a senadora Lúcia Topolansky, parceira de muitos anos, também doa boa parte de seu salário. Mujica vive de forma espantosamente simples, apesar de presidir um dos países mais importantes da América do Sul, nunca usa gravata (é quase sempre uma camisa branca com casaco) e convive com os mesmos amigos de antes da eleição que o conduziu ao poder. É capaz de pegar o Fusca, ir até uma loja de ferragem comprar um acessório de banheiro e, no caminho, parar em um pequeno estádio para animar os jogadores do Huracán, time da segunda divisão, e prometer um churrasco caso subam para a Série A. Sem contas bancárias ou dívidas, de acordo com El Mundo, ele apenas repete que espera concluir seu mandato para um descanso sossegado no Rincón del Cerro.

A vida simples não é mera figuração ou tentativa de construir uma imagem, seguindo orientações de um marqueteiro. Não, ela faz parte da própria formação de Mujica, um homem que lutou contra a ditadura, foi preso e, ao lado de dezenas de Tupamaros, participou de uma fuga cinematográfica da antiga prisão onde hoje está o Centro Comercial Punta Carretas, em Pocitos, lutou pela volta da democracia e hoje é presidente eleito do país. Tudo isso sem abrir mão de suas convicções, em nenhum momento – a ponto de rejeitar a ideia de mudança de sua vida por ser o chefe de uma nação.

No último dia 24 de maio, por ordem de Mujica, uma moradora de rua e seu filho foram instalados na residência presidencial (foto), que ele não ocupa por seguir morando no sítio. Ela só saiu de lá quando surgiu vaga em uma instituição. Neste início de inverno, a casa e o palácio Suarez y Reyes, onde só acontecem reuniões de governo, foram disponibilizadas por Mujica para servir de abrigo a quem não tem um teto. Em julho do ano passado, decidiu vender a residência de veraneio do governo, em Punta del Este, por US$ 2,7 milhões. O banco estatal República comprou e transformará a casa em local de escritórios e espaço cultural. Quando ao dinheiro, será inteiramente investido – por ordem de Mujica, claro – na construção de moradias populares, além de financiar uma escola agrária na própria região do balneário.

Ele nem se preocupa em reforçar seus esquemas de segurança e, ao circular no Fusca ou em um Corsa, claramente não está a bordo de veículos blindados. Nem sei se é certo ou não alguém, no papel de um país, com toda a importância que o cargo tem e nestes tempos loucos ditados muitas vezes por fanatismo, levar a vida de uma pessoa comum. Até acho que não. Afinal, um presidente não pode conduzir sua própria vida. Há milhões de pessoas que deram a ele o direito de dirigir um país e esperam não ver nada abalando esta tarefa – e é por isso que de Barack Obama, num extremo, a Dilma Rousseff, no outro, todos os presidentes são devidamente protegidos por fortes esquemas de segurança. Ao ser eleito, o escolhido faz uma espécie de renúncia pública de sua autonomia – e sabe que não terá mais tanta liberdade assim.

O que me causa profunda admiração no caso de Mujica, independentemente das razões destacadas acima, é ver alguém que se recusa a renunciar a suas próprias convicções, mesmo desafiando todas as regras do protocolo. Ele pensa nestes princípios, lutou a vida inteira por eles, arriscou sua segurança e de sua própria família, por que mudar logo agora? Foi eleito por isso, certamente, por suas ideias e estilo de vida. Dane-se a liturgia do cargo, deve pensar este uruguaio. Para Mujica, ela não tem importância. O que importa, acima de tudo, é dormir com a consciência tranquila de quem sabe que seguiu sempre um padrão de conduta – que não mudou nem na ditadura, nem nos bons tempos da democracia que ele e seus velhos companheiros ajudaram a construir.

O mundo seria um lugar bem melhor e, com toda a certeza, muito mais pacífico se tivéssemos outros Mujicas conduzindo países por aí.

Crédito:

Recebi por e-mail de Ubirajara Dias Viegas.

PARAGUAI TEM HOJE UM PRESIDENTE QUE O POVO QUER



Crédito Imagem - neccint.wordpress.com
 








RESPOSTA DO PARAGUAI A POSIÇÃO (BOLIVARIANA) BRASILEIRA:
(Traduzido)

(*) Chiqui Avalos

Não compreendemos a posição do Brasil. Ou não queremos compreender, tanto é o bem que lhe queremos. Nos arrasou como sicário da Rainha Vitória e nós lhe perdoamos e juntos construímos o colosso de Itaipu. O tratamos bem e ele defende a continuidade de uma das piores fases de nossa história, em nome do quê? Nega-nos o direito à autodeterminação, mas se esquece do papelão ridículo que fez em defesa de um cretino como Zelaya, um corrupto ligado a grupos somozistas de extermínio e que era tão esquerdista como Stroessner e democrático como Pinochet.

Foi deplorável o papel do chanceler Patriota (que não se perca pelo nome), saracoteando pelas ruas de Assunção em desabalada carreira, indo aos partidos Liberal e Colorado pressionar em favor de um presidente que caia.


Adentrando o Parlamento ao lado do chanceler de Hugo Chávez, o Sr. Maduro, para ameaçar em benefício de um presidente que o país rejeitava. Indo ao vice-presidente Federico Franco ameaçar-lhe, com imensa desfaçatez, desconhecendo seu papel constitucional e o fato de que ninguém renunciaria anada apenas por uma ameaça calhorda da Unasul (que não é nada) e outra ameaça não menos calhorda do Mercosul (que não é nada mais que uma ficção).


O Barão do Rio Branco arrancou seus bigodes cofiados no túmulo profanado pelo Itamaraty de hoje. O que quer o governo Dilma? Passar pelo mesmo vexame de Lula na paupérrima Honduras? Se afirmativo, já fica sabendo que passará.

Nós temos imensa disposição de continuar uma parceria que se relevou positiva e decente para ambos os países. Mas não temos da austera presidente o mesmo terror-medo-pânico que lhe devotam seus auxiliares e ministros. Cara feia não faz história, apenas corrói biografias. Dilma chamou seu embaixador em Assunção e Cristina fez o mesmo. As radicais matronas só não sabiam que: o embaixador brasileiro é um ausente total, vivendo mais tempo em Pindorama do que por aqui.

Recorda o ex-embaixador Orlando Carbonar, que foi pego de surpresa em fevereiro de 1989 pelo movimento que derrubou o general Stroessner.

Até meus filhos, crianças na época, sabiam que o golpe se avizinhava e que estouraria a qualquer momento, menos o embaixador brasileiro, que descansa no carnaval de Curitiba, sua cidade natal. Voltou às pressas, num jatinho da FAB, para embarcar Stroessner rumo ao Brasil. E a Argentina. Bem, a Argentina não tem embaixador no Paraguay faz alguns meses. Ocupadíssima, Dona Cristina não nomeou seu substituto. País de necrófilos, chamou um fantasma até a Casa Rosada para consultas.


O Paraguay fez o que tinha que fazer. Seguirá adiante, como seguem adiante as Nações, testadas e curtidas pelas crises que retemperam e reforçam os povos. O religioso que não honrou seus votos de castidade e pobreza e traiu sua igreja, foi por ela rejeitado. O presidente que não honrou nossos votos
e nos traiu, foi por nós deposto. Deposto por incapaz, por mentiroso, por ineficiente. Mas, principalmente, por que traiu as esperanças de um país e um povo que precisaram dele e nele confiaram e ele os traiu a todos. E, por isso, Lugo não voltará.


(*) Chiqui Avalos é conhecido escritor e jornalista paraguaio. Combateu a ditadura de Stroessner e apoiou a candidatura de Fernando Lugo. É o editor de "Prensa Confidencial", influente boletim digital editado no Paraguai.


Agora veja o que diz a respeito do mesmo assunto um jurista brasileiro:


O Senado do Paraguai  


O jurista Ives Gandra Martins esceve na Folha de São Paulo desta quinta-feira um bom artigo analisando do ponto de vista jurídico-político a recente crise paraguaia. E tem razão ao afirmar que a solução pacífica da crise obedecendo ao mandamento constitucional, revelou-se como "um processo digno das grandes democracias parlamentares". O título original do artigo é "Democracia paraguaia". Transcrevo na íntegra:


Em 1991, fui convidado pelo Ministro da Justiça do Paraguai, com constitucionalistas de outros países latino-americanos, para proferir palestras sobre a Constituição brasileira. À época, o Paraguai se encontrava em processo constituinte, em vias de promulgar a Constituição que hoje rege os destinos da nação.


Entre os temas que abordei, expliquei que toda a Constituição brasileira fora formatada para um regime parlamentar de governo, só na undécima hora tendo se transformado numa Lei Maior presidencialista.


Talvez por essa razão, o equilíbrio de Poderes foi realçado ao ponto de, apesar de nossas crises políticas -impeachment presidencial, crise do Orçamento, dos anões, superinflação, alternância do poder, mensalão etc.-, jamais alguém ter falado em ruptura institucional.


O cientista político Arend Lijphart, em seu livro "Democracies", de 1984, detectou, em todo o mundo, apenas 20 países em que não houvera ruptura institucional depois da Segunda Guerra.


Desses, 19 eram parlamentaristas. Apenas um, os EUA, era presidencialista. Ulisses Guimarães me pediu o livro emprestado, mas preferi enviar um exemplar -lembrando da advertência de Aliomar Baleeiro, que dizia ter amigos que fizeram sua biblioteca com livros emprestados.


Sou parlamentarista desde os bancos acadêmicos, e sempre vi no parlamentarismo um sistema de "responsabilidade a prazo incerto": eleito um irresponsável para a chefia do governo, ele pode ser afastado, sem traumas, tirando-lhe o Parlamento o voto de confiança.


Já o presidencialismo é um regime de "irresponsabilidade a prazo certo", pois, eleito um irresponsável, ele só pode ser afastado pelo traumático processo de impeachment.


O Paraguai adotou o regime presidencial, mas, no artigo 225 de sua Constituição, escolheu instrumento existente no sistema parlamentar para afastar presidentes que:


a) Tenham mau desempenho;


b) Cometam crimes contra o Poder Público;


c) Cometam crimes comuns.


Tendo recebido um voto na Câmara dos Deputados e quatro no Senado, Lugo foi afastado do governo, no estritos termos da Constituição, por mau desempenho.


É de se lembrar que o Parlamento tem representantes da totalidade da nação (situação e oposição). O Executivo, só da maioria (situação).


Tanto foi tranquilo o processo de afastamento no Paraguai que não existiram manifestações de expressão em defesa do ex-presidente. As Forças Armadas nem precisaram enviar contingentes à rua, e Lugo continuou com toda a liberdade para expressar as suas opiniões e até para montar um governo na sombra.


Processo digno das grandes democracias parlamentares. Mas difícil de ser compreendido pelo histriônico presidente venezuelano, que usa todos os meios possíveis para calar a oposição e a imprensa, pela aprendiz de totalitarismo que é a presidente argentina, que tudo faz para eliminar a imprensa livre em seu país, ou pelos dois semiditadores da Bolívia e do Equador.


O curioso foi o apoio da presidente Dilma a essa "rebelião de aspirantes a ditadores", pisoteando a democracia e a Lei Suprema paraguaia a fim de facilitar a entrada no Mercosul de um país cuja monoeconomia só permitirá a seu conturbado presidente permanecer no poder enquanto o preço do petróleo for elevado.


Decididamente, a ignorância democrática na América Latina tem um passado fantástico e um futuro deslumbrante.

Créditos:

Recebi por e-mail de Maria Elisa Giorgetti, Campinas,SP, e de Ubirajara Dias Viegas.

Já chegamos ao fundo do poço?

        A crise moral, política e financeira que se abateu sobre o nosso país não nos dá a certeza de que já chegamos ao fundo do poço....