19 de julho de 2012

Imagine se ele estivesse "armado"








Passageiro barrado em aeroporto por suspeita de levar revólver "embaixo da calça" 


Um homem que é conhecido por ter ´o maior pênis do mundo´ foi parado por agentes da TSA (Administração da Segurança em Transportes dos EUA, na sigla em inglês) no Aeroporto Internacional de San Francisco, California, sob suspeita de que estivesse escondendo um revólver 38 ou outra arma.
“É apenas o meu pênis” - disse Jonah Falcon
, que em 2009 foi festejado pelo recorde, de suportamente, possuir do maior pênis do mundo.

"O agente policial me revistou por baixo, chegou até a apalpar o pênis com as mãos. Eles até colocaram um pó em minhas calças, provavelmente era um teste para explosivos. Eu achei engraçado” - contou Jonah ao jornal Huffington Post.

Jonah Falcon, que já trabalhou como ator, disse que não estava com o pênis ereto no momento, mas
seu órgão genital - em estado adormecido - de quase 23 cm provocou suspeitas suficientes para uma alerta e uma revista completa.

Ele não perdeu o voo porque a inspeção não durou mais do que dois minutos.

“Eu achava que os agentes de segurança de San Francisco já tinham experiência com essas coisas, mas pelo jeito, não”, brincou o ex-ator.

Mais detalhes

* "Eu estava com o meu ´pacote´ bem tranquilo e colocado para o lado esquerdo. Um dos guardas chegou em mim e perguntou se eu estava com os bolsos vazios e eu respondi que sim. Um outro guarda chegou e perguntou se eu tinha alguma espécie de supercrescimento" - disse o artista ao ser entrevistado por uma rádio de São Francisco.

"Foi nessa hora que eu comecei a dar risada e, por muito pouco, não fui detido" - complementou.

* Depois disso, Falcon foi encaminhado para o scanner de corpo todo em que todas as dúvidas foram sanadas.

* O homem não está no Guinness - Livro dos Recordes, mas é só porque a categoria em que ele é o maioral não é considerada pela publicação.

Fonte:

www.espacovital.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos seu comentário. Críticas serão sempre aceitas, desde que observado os padrões da ética e o correto uso da nossa língua portuguesa.