30 de dezembro de 2013

2014, mais um ano novo.







Diz o poeta Mario Quintana:

Ano Novo

Lá bem no alto do décimo segundo andar do ano
Vive uma louca chamada Esperança
E ela pensa que quando todas buzinas
Todos os tambores
Todos os reco-recos tocarem:
- Ó delicioso vôo!
Ela será encontrada miraculosamente incólume na calçada – outra vez criança
E em torno dela indagará o povo:
- Como é o teu nome, meninazinha dos olhos verdes?
E ela lhes dirá
( É preciso dizer-lhes tudo de novo )
Ela lhes dirá bem alto, para que não se esqueçam:
- O meu nome é ES – PE – RAN – ÇA …
Mário Quintana

Sim, esperança de que eu mude, você mude também, e que todos mudem.

Só isso será o bastante para que 2014 seja um ano maravilhoso.

29 de dezembro de 2013

PROFECIAS QUE NÃO ACREDITO










Recebi um texto, por e-mail, atribuído à Jorge Serrão que afirma o seguinte: o ciclo do PT se encerra em 2014. 

Leia:

Embora as pesquisas amestradas e a propaganda chapa-branca vendam o “fato consumado” de que Dilma Rousseff se reelege (inclusive no primeiro turno), a conjuntura política e econômica real demonstra exatamente o contrário . A Oligarquia Financeira Transnacional, que controla de fato o Brasil, já decidiu que o ciclo de poder presidencial do PT no Brasil precisa ser encerrado em 2014 – contrariando as previsões ufanistas de Lula da Silva de uma hegemonia petista até 2022.

A Petrobras é o calcanhar de Aquiles do governo. Na Assembleia Geral Extraordinária marcada para o próximo dia 16, às 15 horas, no Rio de Janeiro, o PT sofrerá um dos ataques diretos mais contundentes aos seus esquemas. Outro fator que tende a ser decisivo para a derrota do PT ano que vem é a oposição econômica que lhe será promovida pelos maiores bancos. Itaú e Bradesco vão apostar na oposição: Aécio Neves ou Eduardo Campos. Postura idêntica à da Rede Globo (que já começou a pancadaria tirando o emprego de José Dirceu no hotel que seria o QG da campanha de 2014). 

A sabotagem dos controladores globalitários, promovida nos bastidores econômicos, contra Dilma Rousseff já começou e tende a se ampliar no decorrer de 2014. Acusada midiática e justamente de ter derrubado o crescimento brasileiro e aumentado a inflação e a dívida interna, bagunçando as contas públicas, Dilma vai ser alvo de ataques diretos ao seu modelo nada eficiente de gestão em suas empresas símbolos do capimunismo no Brasil: a Petrobras e o BNDES.

Dilma corre até o risco de ser responsabilizada, judicialmente, por várias decisões que causaram, vem causando e devem causar ainda mais prejuízos aos investidores da Petrobras. Antes de ser alçada pelo Presidente Lula para o trono do Palácio do Planalto, Dilma foi a “presidenta” do Conselho de Administração da Petrobras – cargo que é ocupado pelo desgastado Guido Mantega – que já pode ser pintado como o gestor do fracasso econômico da própria presidenta que tenta a reeleição.

Investidores da Petrobras – principalmente os internacionais – apostam que o governo não resiste a uma auditoria judicial, séria e independente, em vários negócios: nas refinarias Abreu Lima e Passadena, no Comperj, na Companhia de Recuperação Secundária (CRSec), na Petrobras International Finance Company S.A (PFICO) e na Gemini (caso que agora, surpreendentemente, aparece no noticiário que sempre o abafou. As fragilidades na Petrobrás atingem mortalmente Dilma, Mantega e Lula – padrinho do ex-presidente da empresa, José Sergio Gabrielli, e de seu diretor financeiro Almir Barbassa (no cargo há três governos).

Só a petralhada canalha e os petistas fanáticos fingem não perceber que o PTitanic já bateu no iceberg que irá afundá-lo a partir de outubro de 2014. A próxima traição programada contra o PT é o rompimento do pacto com PMDB (partido que funciona igualzinho à Rede Globo: sempre apoia quem está no governo). O movimento de rompimento com o PT será comandado pelo vice-Presidente Michel Temer (maçom que obedece ao que seus mestres britânicos da oligarquia transnacional ordenam) e pelo desesperado Sérgio Cabral Filho (que dará o troco ao “amigo” Lula por investir na candidatura ao governo do Rio do petista Lindberg Farias).

O PT não resistirá a 2014. Esta é a aposta dos agentes econômicos internacionais. E se o Brasil não vencer a Copa da Fifa, a derrota programada será socialmente ainda mais desgastante para petistas e petralhas que, a partir de agora, devem investir na procura do bote salva-vidas no PTitanic. Na língua dos controladores globalitários, “the game is over”.

De todas as previsões só acredito na última: se o Brasil perder a Copa do Mundo, em especial para a Argentina, muita coisa pode acontecer e as chances da Dilma e o PT de continuarem no poder podem diminuir sensivelmente.

Como Deus é brasileiro ele vai nos ajudar a fazer o Brasil perder, e como o Papa é argentino, ele ajudará a Argentina a ser campeã em pleno Maracanã, pois ambos querem o nosso bem.

28 de dezembro de 2013

A lição do fogo




Gostei, publico no meu blog.

Um membro, que regularmente frequentava um determinado grupo de estudos, sem nenhum aviso deixou de participar de suas atividades.

Após algumas semanas, o Mestre daquele grupo decidiu visitá-lo.

Era uma noite muito fria.

O Mestre encontrou o homem em casa, sozinho, sentado diante da lareira, onde ardia um fogo brilhante e acolhedor.

Adivinhando a razão da visita, o homem deu as boas-vindas ao Mestre, conduziu-o a uma grande cadeira perto da lareira e ficou quieto, esperando.

No silêncio sério que se formara, apenas contemplavam a dança das chamas em torno das rachas de lenha, que ardiam.

Ao cabo de alguns minutos, o Mestre examinou as brasas que se formaram e cuidadosamente selecionou uma delas, a mais incandescente de todas, empurrando-a para o lado.

Voltou então a sentar-se, permanecendo silencioso e imóvel.

O anfitrião prestava atenção a tudo, fascinado e quieto.

Aos poucos a chama da brasa solitária diminuía, até que houve brilho momentâneo e seu fogo apagou-se de vez.

Em pouco tempo, o que antes era uma festa de calor e luz, agora não passava de um negro, frio e morto pedaço de carvão recoberto de uma espessa camada de fuligem acinzentada.
Nenhuma palavra tinha sido dita desde o protocolar cumprimento inicial entre os dois amigos.

O Mestre, antes de se preparar para sair, manipulou novamente o carvão frio e inútil, colocando-o de volta no meio do fogo.

Quase que imediatamente ele tornou a incandescer alimentado pela luz e calor dos carvões ardentes em torno dele.

Quando o Mestre alcançou a porta para partir, seu anfitrião disse:

- Obrigado. Por sua visita e pelo belíssimo sermão.

Estou voltando ao convívio do grupo.

NOTA:
AUTOR - Paulo Lacava


Que país é o nosso?






                A notícia que acabo de ouvir deve deixar todos os brasileiros corados de vergonha. Um pedreiro, ganhador de mais de 7 milhões na Mega-sena, diz que “dinheiro não traz felicidade e que ele pretende doar todo o montante a uma instituição de caridade”, após ter sido vítima de um sequestro.

                Homem simples, que não mudou de hábito após faturar a bolada, pois continua a morar na mesma casa (de um tio), a andar de moto velha que já possuía, e que continua trabalhando como pedreiro -, ele foi mais uma vítima da alta taxa de criminalidade que assola nosso país.

                Alegando que o dinheiro recebido só lhe causou aborrecimentos, brigou com o irmão em disputa pelo bilhete premiado (o caso foi parar no Judiciário) e agora foi sequestrado, o pedreiro pretende voltar para sua terra natal, Bahia, em lugar que não revela de medo.

                Por essa razão que sempre falo: se um dia eu for o contemplado de uma bolada na Mega-Sena, certamente pegarei o primeiro voo para o exterior e só volto, se voltar, de férias.

25 de dezembro de 2013

Natal: vamos ajudar o Zé a conseguir um emprego








        José Dirceu ainda não conseguiu arrumar um emprego, apesar de o PT, seu partido, alardear que a taxa de desemprego no Brasil é muito baixa. Estaria ele exigindo um salário muito alto, ou lhe faltam habilidades e competências para os cargos a que se habilitou?

        Depois de anos “trabalhando” para o PT, José Dirceu se vê na obrigação de conseguir um emprego para poder cumprir sua pena em regime semiaberto. Já tentou de gerente de hotel e não conseguiu. Agora quer ser bibliotecário de um escritório de advocacia, mas o Conselho Federal dos Bibliotecários já se manifestou contra: o exercício dessa função é privativo de graduados em biblioteconomia.

        Apesar dos pesares, creio que todos nós brasileiros, envolvidos no espírito natalino, deveríamos ajudar o Zé Dirceu a conseguir um emprego. Que sejamos o Noel do Dirceu, pois um gesto dessa magnitude só nos faria bem.

        Se os leitores deste blog irão encampar a minha campanha eu não sei. A minha parte estou fazendo, e desde já faço uma sugestão a ele: concorra a uma vaga de carcereiro no Complexo Penitenciário da Papuda, pois certamente você não será rejeitado.

        Agora a palavra é dos leitores: ajudem o Zé a conseguir um emprego.

21 de dezembro de 2013

Copa do Mundo – assistir jogos no exterior.






        Em breve o Brasil estará recebendo um grande número de turistas que virão para acompanhar o mundial de futebol. Estaremos conectados com o mundo, e o nosso país mostrará se de fato a FIFA soube escolher bem a sede do mundial de 2014. Pelo andar da carruagem, a alegria e a natural hospitalidade do povo brasileiro se misturará com a incompetência generalizada no que se relaciona às obras de infraestrutura necessárias para dar suporte a um evento de tal magnitude. Some-se a isso, a precariedade e falta de qualificação da mão de obra do setor hoteleiro, restaurantes, táxis, aliados ao preço abusivo que é cobrado por esses serviços e a alta taxa de criminalidade existente.

        Já estamos vivenciando isso, e os turistas ainda não chegaram. Viajar hoje para qualquer cidade turística no Brasil já fica muito mais dispendioso do que fazer turismo no exterior, onde a qualidade dos serviços que você recebe é infinitamente superior.

        Pesquisas demonstram que muitos brasileiros já estão preferindo viajar para o exterior, e que esse número será ainda maior com a proximidade da Copa do Mundo.

        Diante disso, estou programando assistir a Copa do Mundo pela TV, preferencialmente no exterior, pois certamente economizarei bastante e terei a oportunidade de conhecer mais alguns países.

9 de novembro de 2013

Honra não se compra: conquista-se






Butch and plane 1










DUAS HISTÓRIAS REAIS

Primeira                                                                                                                  
Muitos anos atrás, Al Capone possuía virtualmente Chicago. Capone não era  famoso por nenhum ato heróico. Ele era notório por empastar a cidade com  tudo relativo a contrabando, bebida, prostituição e assassinatos.         
                                                                          
Capone tinha um advogado apelidado "Easy Eddie". Era o seu advogado por um excelente motivo: Eddie era muito bom! Na realidade, sua habilidade,  manobrando no cipoal legal, manteve Al Capone fora da prisão por muito tempo. Para mostrar seu apreço, Capone lhe pagava muito bem. Não só o  dinheiro era grande, como Eddie também tinha vantagens especiais.         
                                                                          
Por exemplo, ele e a família moravam em uma mansão protegida, com todas as conveniências possíveis. A propriedade era tão grande que ocupava um  quarteirão inteiro em Chicago. Eddie vivia a vida da alta roda de   Chicago,mostrando pouca preocupação com as atrocidades que ocorriam à sua volta.                                                             
                                                                          
No entanto, Easy Eddie tinha um ponto fraco. Ele tinha um filho que amava  afetuosamente. Eddie cuidava que seu jovem filho tivesse o melhor de tudo: roupas, carros e uma excelente educação. Nada era poupado. Preço não era  objeção. E, apesar do seu envolvimento com o crime organizado, Eddie  tentou lhe ensinar o que era certo e o que era errado. Eddie queria que  seu filho se tornasse um homem melhor que ele. Mesmo assim, com toda a sua riqueza e influência, havia duas coisas que ele não podia dar ao filho:   ele não podia transmitir-lhe um nome bom ou um bom exemplo.               
                                                                          
Um dia, o Easy Eddie chegou a uma decisão difícil. Easy Eddie tentou corrigir as injustiças de que tinha participado. Ele decidiu que iria às autoridades e contaria a verdade sobre Al "Scarface" Capone, limpando o  seu nome manchado e oferecendo ao filho alguma semelhança de integridade.  Para fazer isto, ele teria que testemunhar contra a quadrilha, e sabia que o preço seria muito alto. Ainda assim, ele testemunhou.                   
                                                                          
Em um ano, a vida de Easy Eddie terminou em um tiroteio em uma rua de  Chicago. Mas aos olhos dele, ele tinha dado ao filho o maior presente que  poderia oferecer, ao maior preço que poderia pagar. A polícia recolheu em  seus bolsos um rosário, um crucifixo, uma medalha religiosa e um poema,  recortado de uma revista. 
                                                
O poema:
                                                                  
                                                                      
O relógio da vida recebe corda apenas uma vez e nenhum homem tem o poder de decidir quando os ponteiros pararão, se mais cedo ou mais tarde.  
                                             
Agora é o único tempo que você possui.                                    
Viva, ame e trabalhe com vontade.                                         
Não ponha nenhuma esperança no tempo, pois o relógio pode parar a qualquer momento.                                                         
                                                                          
História Número Dois                                                      
                                                                          
A Segunda Guerra Mundial produziu muitos heróis. Um deles foi o Comandante Butch O'Hare. Ele era um piloto de caça, operando no porta-aviões Lexington, no Pacífico Sul. Um dia, o seu esquadrão foi enviado em uma  missão.
                                                              
                                                                          
Quando já estavam voando, ele notou pelo medidor de combustível que alguém tinha esquecido de encher os tanques. Ele não teria combustível suficiente para completar a missão e retornar ao navio. O líder do vôo instruiu-o a   voltar ao porta-aviões. Relutantemente, ele saiu da formação e iniciou a   volta à frota. Quando estava voltando ao navio-mãe viu algo que fez seu   sangue gelar: um esquadrão de aviões japoneses voava na direção da frota   americana.                                                                
                                                                          
Com os caças americanos afastados da frota, ela ficaria indefesa ao  ataque. Ele não podia alcançar seu esquadrão nem avisar a frota da aproximação do perigo.                                                    
                                                                           
Havia apenas uma coisa a fazer. Ele teria que desvia-los da frota de  alguma maneira. Afastando todos os pensamentos sobre a sua segurança pessoal, ele mergulhou sobre a formação de aviões japoneses. Seus canhões de calibre 50, montados nas asas, disparavam enquanto ele atacava um   surpreso avião inimigo e em seguida outro. Butch costurou dentro e fora da
formação, agora rompida e incendiou tantos aviões quanto possível, até que sua munição finalmente acabou. Ainda assim, ele continuou a agressão.
     
Mergulhava na direção dos aviões, tentando destruir e danificar tantos  aviões inimigos quanto possível, tornando-os impróprios para voar. 
      
                                                                          
Finalmente, o exasperado esquadrão japonês partiu em outra direção.       
                                                                          
Profundamente aliviado, Butch O'Hare e o seu avião danificado se dirigiram para o porta-aviões. Logo à sua chegada ele informou seus superiores sobre o acontecido. O filme da máquina fotográfica montada no avião contou a  história com detalhes. Mostrou a extensão da ousadia de Butch em atacar o  esquadrão japonês para proteger a frota. Na realidade, ele tinha destruído cinco aeronaves inimigas. 
                                                
                                                                          
Isto ocorreu no dia 20 de fevereiro de 1942, e por aquela ação Butch se  tornou o primeiro Ás da Marinha na WW II, e o primeiro Aviador Naval a receber a Medalha Congressional de Honra. No ano seguinte Butch morreu em  combate aéreo com 29 anos de idade. Sua cidade natal não permitiria que a  memória deste herói da WW II desaparecesse, e hoje, o Aeroporto O'Hare, o  principal de Chicago, tem esse nome em tributo à coragem deste grande  homem. 
                                                                   
                                                                          
Assim, na próxima vez que você passar no O'Hare International, pense nele  e vá ao Museu comemorativo sobre Butch, visitando sua estátua e a Medalha  de Honra. Fica situado entre os Terminais 1 e 2.                         
                                                                 
Mas afinal, o que essas duas histórias têm de comum entre elas?           
    
                                       
Butch O'Hare era o filho de Easy Eddie !!!.

Recebi as histórias por e-mail.