26 de junho de 2012

MICROOONDAS - NOVAS UTILIDADES






Das invenções recentes que vieram pra só facilitar a nossa vida, o microondas é sem dúvida umas das melhores sacadas. Além da rapidez pra aquecer, esquentar, descongelar e até cozinhar pratos inteiros, ele ainda tem a vantagem de ocupar pouco espaço, ser fácil de usar e estar cada vez mais barato.
E o melhor: tem usos que muita gente ainda não conhece e que podem facilitar ainda mais o dia-a-dia de quem não tem muito tempo pra perder. Veja essas dicas!

Limpar esponjas de louça – para desinfetar e desodorizar uma esponja, jogue um pouco de água com vinagre ou suco de limão em cima dela e leve ao micro-ondas por um minuto. Na hora de retirar a esponja, use luvas para evitar queimaduras.



Desinfetar tábua plástica de carne – depois que a tábua estiver bem limpa, esfregue um pedaço de limão sobre ela e leve ao micro por um minuto.


Cozinhar batatas – fure toda a batata com um garfo e leve ao microondas por dois minutos. Depois vire e programe mais dois minutos. Para fazer um purê, aqueça o leite no próprio microondas antes de misturá-lo com as batatas.


Amaciar açúcar mascavo – com o açúcar ainda na embalagem plástica, adicione pingos de água e aqueça em potência média por cerca de dez a 20 minutos.




 Descristalizar mel –
cubra o pote de mel e coloque no microondas na potência média entre 30 segundos e um minuto.


Acelerar fermentação de massas – 15 minutos no micro são capazes de acelerar o processo de fermentação de pães. Coloque a massa em um recipiente grande, cubra com plástico, coloque o recipiente sobre um prato com água e abaixe a potência ao mínimo possível. Aqueça três minutos, deixe descansar outros três, aqueça três minutos novamente e descanse mais seis minutos.


Aquecer kits de primeiros socorros – o microondas também pode ser usado para aquecer pacotes de gel contra dores de cabeça e bolsas de água quente, desde que eles não tenham metais.
  

 Aquecer cosméticos – a cera de depilação e as máscaras faciais, entre outros produtos, podem ser levados ao microondas sem problema.


Assar alho – no forno você gastaria 45 minutos, mas no microondas é possível obter o mesmo resultado em oito. Corte a parte de cima da cabeça para expor os dentes, ponha os alhos em um recipiente com sal e pimenta e regue com azeite. Adicione duas colheres de sopa de água no fundo do recipiente, cubra com plástico e leve para cozinhar em potência média por sete minutos e meio.



Tirar mais suco de frutas cítricas – outra dica super legal. Limas e limões retirados da geladeira podem dar trabalho para soltar o suco. Bastam 20 segundos no microondas para resolver o problema.


Torrar castanhas e coco –
você gastar apenas 1/4 do tempo que usaria no fogão se tiver microondas em casa . Basta programar cerca de dois a três minutos na potência máxima.




Cozinhar vegetais – não é preciso usar água fervente para cozinhar vegetais no microondas. Basta colocar os legumes em um prato, de preferência uns sobre os outros, cobrir com plástico e cozinhar em alta potência. O tempo varia, por isso é importante ir conferindo a consistência. Cogumelos e espinafre levam 30 segundos, enquanto cenouras, por exemplo, demoram quatro minutos para ficarem prontas.




Crédito:

Recebido por e-mail de Mariza Brandimarti

Concurso Público





ASSISTENTE TÉCNICO-ADMINISTRATIVO do MINISTÉRIO DA FAZENDA

 

Crédito Imagem - marcellobarbosa.blogspot.com


Veja as informações e dicas no blog do Prof.Joselias:

Crédito:

Recebi por e-mail:

Joselias < blogdoprofessorjoselias@gmail.com >

24 de junho de 2012

A má qualidade legislativa no Brasil







        A Lei 12.605/12, já em vigor, tornou obrigatória a flexão de gênero na expedição de diplomas e certificados correspondente ao sexo da pessoa diplomada, ao designar a profissão e o grau obtido. A mesma lei obriga às instituições de ensino a remissão gratuita dos diplomas já conferidos, com a devida correção.

        Não vamos discutir aqui se a lei é oportuna. Ela já rendeu críticas de muitos e elogios de outros. Abordaremos a questão da gratuidade da remissão gratuita dos diplomas já expedidos.

        Por força de norma já existente, as instituições de ensino estão proibidas a cobrar qualquer taxa para a expedição de diplomas, considerando que esse custo já está embutido nas mensalidades escolares pagas pelo aluno. Mas as despesas decorrentes com a expedição de um novo diploma, já estariam também contidas nas mensalidades escolares?

        Com certeza não, se considerarmos que pelo menos neste ano, por ter sido a lei promulgada em abril, as planilhas das mensalidades já tinham sido estabelecidas e tal custo não foi considerado.

        Essa questão certamente só será respondida pelos nossos Tribunais, que serão chamados para decidir em decorrência de uma lei mal felaborada.

        Será que um dia os nossos legisladores irão aprender a fazer leis que independam de interpretação e decisões judiciais?

AVC - NOVO SINAL





Crédito Imagem - gustavofisio.blogspot.com





Assim como o enfarto, o derrame precisa ser socorrido com urgência.

Porém, diferente do enfarto, o derrame dá sinais que a maioria das pessoas não conhece e, por causa disso, em muitos casos mata ou deixa seqüelas graves; consequências que num socorro imediato, poderiam ser evitadas.

Sinais dados pelo processo de AVC já são divulgados.

Os Derrames Cerebrais - Agora existe um 4º indicador : A língua

Derrame: memorize as três primeiras letras...S.T.R.
Só leva um instante ler isto...

Disse um neurologista que se levarem uma vítima de derrame dentro das primeiras três horas, ele pode reverter os efeitos do derrame -totalmente.

Ele disse que o segredo é reconhecer o derrame, diagnosticá-lo e receber o tratamento médico correspondente, dentro das três horas seguintes, o que é difícil.

RECONHECENDO UM DERRAME

Muitas vezes, os sintomas de um derrame são difíceis de identificar. Infelizmente, nossa falta de atenção,torna-se desastrosa. 
A vítima do derrame pode sofrer severa consequência cerebral quando as pessoas que o presenciaram falham em reconhecer os sintomas de um derrame.

Agora, os médicos dizem que uma testemunha qualquer pode reconhecer um derrame fazendo à vítima estas três simples preguntas:

S* (Smile) Peça-lhe que SORRIA.

T* (Talk) Peça-lhe que FALE ou APENAS DIGA UMA FRASE SIMPLES (com coerência). Ex : - Hoje o dia está ensolarado.

R* (Rise your arms) Peça-lhe que levante AMBOS OS BRAÇOS.

Se ele ou ela têm algum problema em realizar QUALQUER destas tarefas, chame a emergência imediatamente e descreva-lhe os sintomas,ou vão rápido à clínica ou hospital.

Novo Sinal de derrame :

Ponha a língua fora.

NOTA: Outro sinal de derrame é este:

Peça à pessoa que ponha a língua para fora.Se a língua estiver torcida e sair por um lado ou por outro, é também sinal de derrame.

Um cardiologista disse que qualquer pessoa que reenvie este e-mail a pelo menos 10 pessoas; pode apostar que salvará pelo menos uma vida ...

COMPARTILHE.

Crédito:

Recebi por e-mail, Djalma, Mogi das Cruzes,SP.

23 de junho de 2012

VAMOS AJUDAR ESSE BRASILEIRO






BRASILEIRO ‘ARREBENTA’ NO “AMERICA'S GOT TALENT”.




"O humilde enfermeiro brasileiro Luiz Meneghin, pai de família radicado há dezenove anos em Utah, EUA, e que canta ópera para sues pacientes no hospital onde trabalha, põe a platéia de um dos mais famosos shows de calouros do mundo aplaudindo de pé sua versão de “Nessun Dorma”, de Turandot, e é comparado à Susan Boyle pelo jornal “The Salt Lake Tribune”.

Acesse o link abaixo.

Vamos ajudá-lo.

Ao ver o vídeo você com certeza irá compartilhar com os seus amigos.



Ranking dos Políticos









COMO É SIMPLES CONSERTAR O BRASIL.



ACESSE PRIMEIRO O LINK ABAIXO:


Aos meus irmãos brasileiros



Crédito Imagem - portalsaofrancisco.com.br




Desconhecia o texto de Gabeira - link abaixo.

 Recebi por e-mail e quero deixá-lo no meu blog.

Espero que você, meu irmão brasileiro leia, reflita e compartilhe.

Ainda é possível salvar nosso país.



http://mail.google.com/mail/?ui=2&ik=197a39f388&view=att&th=1380c86ca3848e46&attid=0.1&disp=safe&zw

http://www.general-files.com/files-f/flores-para-mortos-fernando-gabeira-ok/

Crédito:

Recebi por e-mail de Maria Elisa giorgetti, Campinas, SP.

Anotações indevidas na CTPS acarretam indenização por dano moral












Por ter realizado anotações na CTPS que extrapolaram os limites da decisão judicial, a empresa Comercial Missões Ltda. terá de indenizar o trabalhador por danos morais, em R$ 5 mil, conforme decisão da Segunda Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região.


Em processo anterior, o juiz determinou que fosse feita a retificação da CTPS quanto à data de admissão e salário do empregado, mas no documento veio também descrito Em acato à decisão judicial dos autos trabalhistas nº...., fica alterada a data de admissão para... e fica alterado também a função de repositor para moto entregador.


Para o desembargador redator, Nicanor de Araújo Lima, a atitude da empresa incorreu em abuso de direito e ofensa aos direitos fundamentais do trabalhador, consistente na dignidade da pessoa humana, honra, imagem e moral e, ainda, ao princípio constitucional da busca do pleno emprego, fazendo surgir o direito à indenização por dano moral.


Não se pode ignorar, como organismo vivo que é o direito, ser fato público e notório que o mercado de trabalho discrimina o trabalhador que porta CTPS em que haja esse tipo de apontamento. Assim, tem-se por violado o art. 29, § 4, da CLT, expôs o desembargador.

Fonte: Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região, 18/6/2012

20 de junho de 2012

SACOLINHAS PLÁSTICAS ESTÃO DE VOLTA





Quero consignar no meu blog os meus votos de parabéns ao Ministério Público do Estado de São Paulo., que decidiu não validar o TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) que previa que os consumidores não poderiam mais receber sacolas plásticas gratuitamente em supermercados de São Paulo.

Já tive oportunidade de expressar neste blog a minha opinião a respeito, destacando que a medida só tinha por objetivo proporcionar mais lucro aos supermercados, com enorme prejuízo aos consumidores e pouca eficácia da medida com relação à proteção do meio ambiente.

Vamos ter de volta as sacolinhas.

Procura-se um vice para o Haddad







         O PT São Paulo procura desesperadamente um candidato para concorrer como vice na chapa encabeçada por Fernando Haddad.
        Marta nem foi cogitada. Erundina já desistiu. Netinho não quer saber.
       Quem sabe não é o caso de lançar o Paulo Maluf.
        Você não estaria interessado?

SENSACIONAL

 

CRIATIVIDADE ACIMA DE TUDO






PRECISA FALAR MAIS ALGUMA COISA?


Nota:

Copiei de uma nota no facebook. Não conheço a fonte.

Aborto: você é a favor ou contra?






É preciso falar mais alguma coisa?

O macaco está certo




Crédito Imagem - jaqueline-bispo.blogspot.com


E você, está agindo também de maneira certa?

Veja o filme e responda:


http://mail.uol.com.br/attachment?msg_id=NDk2NjY&ctype=Why+Cant+We.wmv&disposition=attachment&folder=INBOX&attsize=3674321

CASA ARRUMADA



Casa arrumada é assim: um lugar organizado, limpo, com espaço livre pra circulação e uma boa entrada de luz. Mas casa, pra mim, tem que ser casa e não um centro cirúrgico, um cenário de novela. Tem gente que gasta muito tempo limpando, esterilizando, ajeitando os móveis, afofando as almofadas... Não, eu prefiro viver numa casa onde eu bato o olho e percebo logo: aqui tem vida...
Casa com vida, pra mim, é aquela em que os livros saem das prateleiras e os enfeites brincam de trocar de lugar. Casa com vida tem fogão gasto pelo uso, pelo abuso das refeições fartas, que chamam todo mundo pra mesa da cozinha. Sofá sem mancha? Tapete sem fio puxado? Mesa sem marca de copo? Tá na cara que é casa sem festa. E se o piso não tem arranhão, é porque ali ninguém dança.
Casa com vida, pra mim, tem banheiro com vapor perfumado no meio da tarde. Tem gaveta de entulho, daquelas que a gente guarda barbante, passaporte e vela de aniversário, tudo junto...
Casa com vida é aquela em que a gente entra e se sente bem-vinda. A que está sempre pronta pros amigos, filhos... Netos, pros vizinhos... E nos quartos, se possível, tem lençóis revirados por gente que brinca ou namora a qualquer hora do dia.
Casa com vida é aquela que a gente arruma pra ficar com a cara da gente.
Arrume a sua casa todos os dias... Mas arrume de um jeito que lhe sobre tempo pra viver nela... E reconhecer nela o seu lugar.
Carlos Drummond de Andrade (1902-1987)
 Nota:
Recebi por e-mail de Terezinha A. Franco Honório, Mogi das Cruzes, SP.

19 de junho de 2012

A tatuagem e o mercado de trabalho





Imagem do artigo abaixo citado




Preconceito,intolerância, imagem coorporativa? Afinal, quais os motivos que levam uma empresa a questionar sobre a tatuagem do candidato?

Yngrid Paixão - Empregos.com.br

 

A polêmica é enorme e as contradições maiores ainda. Do ponto de vista de muitas empresas a imagem dos colaboradores significa muito e isso inclui o fator tatuagem. Muitas delas acreditam que um funcionário tatuado passa uma impressão agressiva e até desleixada e optam por não recrutar profissionais com esse perfil.

 

Porém, outras empresas não se importam com o que a pessoa faz com seu próprio corpo, desde que esse profissional trabalhe direito. Para elas, aparência não é sinônimo de incompetência. Elas defendem que existem pessoas tatuadas com caráter e boa disposição para trabalhar e também pessoas sem tatuagem, porém sem a mínima competência.

Muitas pessoas já se sentiram descriminadas por conta de tatuagem e já foram até desclassificadas em alguns processos seletivos. Mas há quem diga também, que nunca teve esse tipo de problema, e nunca precisou escondê-las.

Enfim, o assunto é delicado e polêmico. Para evitar sofrimento desnecessário os candidatos que possuem tatuagem devem ficar de olho em alguns aspectos antes de se candidatarem a uma vaga de emprego.


- Observe o perfil da empresa, caso ela seja muito conservadora, tente cobrir a tatuagem e tenha ciência de que isso infelizmente pode ser um ponto negativo para sua contratação;

- Mesmo que a empresa não seja tão conservadora, ainda assim é melhor não extravasar, use o bom senso;

Em todo caso, o melhor a fazer é pensar muito antes de fazer uma tatuagem, principalmente se for algo grande e chamativo, afinal é algo que você irá levar para sempre. Antes de fazê-la, tenha em mente o que pretende para a sua vida profissional, a carreira que pretende seguir e onde pretende chegar.

Mas e você? O que acha dessa questão?

 

Fonte:

Artigo publicado com autorização do Departamento de Marketing & Comunicação do site:

Empregos.com.br 

Sal: um inimigo que não conhecemos bem




Crédito Imagem - blogspasorocaba.blogspot.com



  

                Assista a apresentação anexa.
                Sua saúde irá agradecer.




Crédito:

Recebi por e-mail do meu amigo Walter Monaco, São Paulo, Capital.

UM DIA VOCÊ PENSOU QUE ISSO FOSSE ACONTECER?











Este é o post mais curto que escrevi:

sem comentários.

Deus existe?




Albert Einstein (foto famosa do físico)




Circula pela internet, já faz tempo, um e-mail que conta uma história de que o  físico Albert Einstein teria provado para seu professor em sala de aula que Deus existe.

Mas será que essa história é verdadeira ou falsa?

 

O site E-farsa traz uma matéria sobre o fato, e mais, informações importantes sobre a vida desse notável cientísta.

 

Leia:

 

http://www.e-farsas.com/einstein-provou-para-seu-professor-que-deus-existe.html

17 de junho de 2012

VOCÊ NÃO VERÁ NADA MAIS EMOCIONANTE






EM 1992 O MORUMBI FOI INVADIDO PELA TORCIDA TRICOLOR:

SÃO PAULO F.C. CAMPEÃO DA LIBERTADORES

JOGO DISPONÍVEL NO YOUTUBE


VEJA  NO LINK ABAIXO A REPORTAGEM E A FESTA TRICOLOR.

O GALVÃO CHOROU!!!


http://uolesportevetv.blogosfera.uol.com.br/2012/06/17/perola-do-bau-fora-da-globo-galvao-chora-com-titulo-do-sao-paulo-na-libertadores-e-ensaia-bordoes/

Recursos Pedagógicos digitais




Crédito Imagem - djblogtec.wordpress.com






A Unesp Aberta é um ambiente de aprendizagem on-line e gratuito que oferece a oportunidade de formação e aperfeiçoamento em diversas áreas do conhecimento para pessoas com acesso a Internet no Brasil e no mundo.

 É uma iniciativa da Reitoria da Unesp (no âmbito das Pró-Reitorias de Graduação, Pós-Graduação e Extensão), juntamente com o Núcleo de Educação a Distância (NEaD/Unesp), que passa a disponibilizar gratuitamente os recursos pedagógicos digitais desenvolvidos para os cursos da Universidade.

São cursos livres, sem certificação e assessoria pedagógica (tutoria).



Acesse:





Será que um dia o brasileiro acorda?



Crédito Imagem - nathyroncada.blogspot.com




        A corrupção não é coisa nova. Existe em outros países e no Brasil também. É um mal que não se acaba, e que acaba com o cidadão, especialmente os mais pobres que são privados do essencial para viver.

     A solução já foi buscada aqui e acolá, mas ao contrário do que parece, estamos se acostumando a conviver com ela, como se fosse tudo muito natural.

       Vejam a apresentação cujo link segue abaixo.

       Compartilhe com seus amigos, para que um dia possamos ter esperança no futuro do nosso Brasil:


        http://mail.google.com/mail/?ui=2&ik=197a39f388&view=att&th=137f279f50a4ade8&attid=0.1&disp=safe&zw

16 de junho de 2012

Coordenador Pedagógico




Crédito Imagem - modeloteams.blogspot.com



Profissão: articulador escolar



O coordenador pedagógico se consolida cada vez mais como formador, orientador de um trabalho coletivo e elo entre as pessoas, o projeto escolar e os conteúdos programáticos.

Reger a escola do século 21 não é uma tarefa para qualquer maestro. Numa época em que se rediscutem espaço, tempo, modo, sujeito e conteúdo da aprendizagem, a figura do coordenador pedagógico se destaca como articuladora e representante dessa nova forma de pensar a educação. O coordenador é hoje - ou poderia ser - o elo a unir projeto pedagógico da escola, conteúdo programático e as pessoas envolvidas no projeto - professores, gestores, pais e alunos. E, para ele, é impossível harmonizar esses três polos sem responder a grandes questões da educação atual: de quem é a responsabilidade pelo aprendizado dos alunos? Como
trabalhar o conteúdo de um currículo fixo de maneira diferente em cada turma? Como quebrar a barreira das disciplinas? Como apoiar o professor e contribuir com a sua formação?

Em meio a essas demandas, o cenário educacional contemporâneo introduz ingredientes que criam paradoxos para o exercício da função. Ao mesmo tempo que a cobrança social pela aprendizagem dos alunos, cada vez mais, recai de forma individualizada sobre o professor, ele é instado a trabalhar de forma interdisciplinar, em projetos conjuntos com as outras disciplinas e áreas de saber. No que tange ao currículo, há uma crescente defesa da constituição de um "mínimo múltiplo comum", sobretudo para algumas disciplinas do ensino médio, nas quais o aluno, caso mude de escola, está arriscado a estudar a mesma coisa nos três anos dessa etapa. Em paralelo, há uma grita pela manutenção das singularidades regionais - nem sempre justificada, pois muito do conhecimento com que a escola trabalha é universal.

Em meio a pressões de todos os lados - dos docentes, gestores, alunos e familiares - quais seriam, então, as características que fariam do coordenador um profissional capacitado a desempenhar o papel de articulador?

Um bom comunicador 

 Para dar conta de tamanho desafio, o coordenador precisa ter a seu favor algumas características. "Não podemos definir um perfil exato para o coordenador, pois é possível praticar a coordenação pedagógica com estilos variados. No entanto, o cuidado com as relações interpessoais tem de ser um norte a ser perseguido. As características que definem um bom coordenador talvez sejam as mesmas que caracterizam um bom professor", aponta Renata Cunha, docente do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Metodista de Piracicaba (Unimep).

Independentemente de suas semelhanças com os professores, o coordenador deve ser alguém, segundo Nilda Alves, da Faculdade de Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), que saiba liderar sem perder de vista que está coordenando uma equipe em uma escola, e não em uma empresa, que tem dinâmica e foco diferentes. "E isso não significa ficar levando textos que conclamam o professor a trabalhar melhor, já que o professor está ali para cumprir o seu trabalho."

Estabelecido esse canal de comunicação, fica mais fácil sugerir caminhos e propor reflexões acerca de convergências e divergências entre o que o professor tem em mente e o projeto pedagógico da escola. Essa relação de confiança é fundamental porque faz com que os professores se sintam à vontade para levar suas dificuldades e problemas para o coordenador, resume Fernanda.

Como a interação com os professores está na base do trabalho do coordenador pedagógico, pesquisadores do tema usam a teoria das relações interpessoais, do pedagogo norte-americano Donald Schön, para tentar compreender as habilidades de comunicação que esse profissional precisa desenvolver. De acordo com Schön, autor de Educando o profissional reflexivo (Artmed, 2000, edição esgotada), a relação entre instrutor e aprendiz (interpretados por especialistas como coordenador e professor) pode ser um sucesso ou um fracasso dependendo de como a hierarquia, o poder e o controle transparecerem na comunicação. Ele descreve duas situações. Na primeira, o coordenador deixa claro o seu poder como superior na hierarquia em relação ao professor. O resultado é descrito por Tânia Romero em seu doutorado A interação coordenador e professor: um processo colaborativo? "As pessoas não querem experimentar, correr riscos, revelar suas conjecturas ou hipóteses, preocupadas que estão em munir-se de certezas para rebater pontos de vista adversos. O resultado é que as condições para aprendizagem não são estabelecidas."

O segundo modelo, focado no aprendizado mútuo, volta-se ao "entendimento, colaboração e questionamento das visões e interesses dos participantes envolvidos: um jogo de cartas na mesa, sem mistérios ou intenções ocultas". "Encoraja-se que sejam criadas condições para livre troca de informações, mesmo aquelas mais sensíveis e difíceis, que haja conscientização dos valores em jogo, bem como conscientização das limitações da própria capacidade, que haja comprometimento interno dos participantes quanto às decisões tomadas, comprometimento este baseado em satisfação intrínseca em vez de recompensa ou punição externa. O clima de confiança mútua que se estabelece (...) propicia um relacionamento colaborativo favorável a oportunidades de reflexão", escreve Tânia.

Espaço coletivo

 O segundo modelo representa o canal aberto de comunicação para um trabalho coletivo, não hierarquizado. Para que essa proposta possa ser colocada em prática, Schön diz que o professor deve defender suas posições sem deixar de questionar e ouvir a crença dos colegas, justificar como chegou a seu ponto de vista, debatê-lo e, caso se sinta em meio a um problema ou dilema, expressar isso publicamente.

Todo o trabalho do coordenador, portanto, só é possível a partir de um espaço coletivo de debate com os professores. Só a partir dessa interação a figura do coordenador pode exercer a sua principal função, a de formador que promove a reflexão contínua junto aos professores sobre a prática pedagógica. Por isso é importante para os coordenadores compreender que a construção de conhecimento junto aos professores não acontece porque o coordenador ensina o professor como ensinar, e sim porque existe o intercâmbio entre eles. Essa ideia, advinda das teorias do psicólogo russo Lev Vigotski, tomada como base para entender as relações de aprendizagem dentro da escola, é hoje utilizada no estudo do papel do coordenador.

O dia a dia do coordenador

 E na prática, o que faz essa figura dentro da escola? Renata Cunha, da Unimep, defende em seu artigo O coordenador pedagógico e suas crenças que um dos desafios é o de articular teoria e prática: "O saber e o fazer reflexivo precisam estar contextualizados, uma vez que a transformação da realidade educacional decorre do confronto entre teoria e prática. Nesse sentido, questiona-se quem seria o profissional responsável por mediar o coletivo docente e articular os momentos de formação. O coordenador pedagógico passa a ser considerado o interlocutor da formação docente na medida em que proporciona a reflexão sobre a prática e a superação das contradições entre o pensar e o agir", avalia.

Renata descreve o coordenador como mediador na escola, aquele que deve promover o diálogo entre gestão, professores, pais e alunos. E enumera algumas de suas atribuições: promover oportunidade de trabalho coletivo para construção permanente da prática docente e revisão do projeto político-pedagógico; acompanhar e avaliar o ensino e o processo de aprendizagem, bem como os resultados do desempenho dos alunos junto aos professores; assumir o trabalho de formação continuada e garantir situações de estudo e de reflexão sobre a prática pedagógica e aprofundamento das teorias da educação; auxiliar o professor na organização de sua rotina de trabalho; colaborar com o professor na organização de seleção de materiais adequados às diferentes situações de ensino e de aprendizagem; apoiar os estudantes e orientar as famílias, entre outras.

Na escola Projeto Vida, na zona norte paulistana, uma das coordenadoras do ensino fundamental 1, Sônia Favaretto, explica como essas funções se traduzem no cotidiano. Ela auxilia, por exemplo, os professores na elaboração de um plano de aulas, incluindo a busca de referências bibliográficas e instrumentos de avaliação. "Além disso, é preciso acompanhar esse plano - pautas de observação em sala devem ser combinadas previamente com os professores, assim como é possível a análise de vídeos com intenção formativa", explica. Uma das práticas de formação da escola é estudar coletivamente um registro de aula feito pelo professor. O coordenador (e em alguns momentos os próprios colegas) lê, formula perguntas, assinala aspectos relevantes e aponta o que falta para que a prática converse com a teoria, buscando fundamentar as atividades propostas. Outra técnica utilizada é a de oferecer um modelo de referência para o professor, pedindo que observe outros colegas dando aula.

Fernanda Liberali, pesquisadora da PUC-SP com mestrado e doutorado dedicados ao papel do coordenador pedagógico, complementa que, como líder, ele deve conquistar o respeito do colegiado. "Para isso, precisa estar informado, estudar sempre. Não precisa saber todo o conteúdo de todas as áreas, mas tem de ter conhecimento teórico sobre a prática pedagógica." Outra característica importante do perfil é saber o momento de ouvir e de falar. "É preciso ouvir o professor para ganhá-lo, fazê-lo revelar o quê e como pensa, como acha que determinada questão tem de ser tratada."  

Fernanda Liberali, que realiza trabalho de formação de coordenadores em escolas das redes pública e particular de São Paulo, sugere também que a equipe promova simulações de aula - para, por exemplo, aprender a trabalhar com um material novo - , ou que realize fóruns de discussão on-line para debater questões do cotidiano. "Dou muitos cursos sobre como sentar com o professor e discutir uma aula que não tem nada que ver com a proposta da escola, como conversar sobre isso, como ensinar o docente a ver se o realizado bate com o planejado, como o resultado do aluno reflete o planejamento, e como formar com foco em teorias de aprendizagem e linguagem. Às vezes o coordenador sabe disso na prática, mas não sabe explicar e trabalhar isso junto ao professor", afirma.

Sem receita

 Existem experiências positivas e negativas, mas não há uma receita para o trabalho da coordenação pedagógica que garanta o sucesso do trabalho. Não é recomendável padronizar métodos e técnicas didáticas para serem usados entre coordenadores e professores, assim como é difícil crer que alunos aprendem e atribuem significado aos conteúdos da mesma forma.

Os repertórios cultural, teórico e de vivências dos docentes devem sempre ser levados em consideração. "Cada professor tem uma trajetória de formação, determinadas preferências, limitações, estilo de comunicação, postura em relação às diversas situações do cotidiano da escola. O coordenador precisa ser sensível às características de cada professor e ajudá-lo a refletir", explica Renata.

A função do coordenador pedagógico tem se consolidado, mas os próprios coordenadores muitas vezes não sabem qual é sua função. É o que diz a pesquisa O papel do coordenador pedagógico (2010), da Fundação Victor Civita, que revela que apenas 9% dos coordenadores entrevistados acreditam que faz parte do seu trabalho realizar um planejamento pedagógico e buscar melhorias para o ensino, aprendizagem e dificuldades dos alunos. Além disso, apenas 60% promovem reuniões com docentes.

Para Neurilene Ribeiro, coordenadora pedagógica regional do Instituto Chapada de Educação e Pesquisa, ONG que atua em 30 municípios baianos, a diferença entre um coordenador que sabe quais devem ser suas atividades e outro que não sabe com clareza é o comprometimento da escola com o projeto político-pedagógico. Uma escola que tem como objetivo sustentar uma prática pedagógica inovadora deve voltar a coordenação para sua real função, que é a da formação continuada.

"O coordenador deve passar menos tempo produzindo papéis e mais se dedicando ao triângulo professor, aluno e aprendizagem. Se o projeto político pedagógico é mais frágil, o cotidiano do coordenador é menos planejado e se dissolve em resolver problemas do dia a dia", alerta. Dessa forma, a atuação do coordenador tende a ser pontual e descontínua, com pouca sustentação educacional.

Ou seja, ao que parece, existem duas vertentes possíveis para que o trabalho do coordenador se estabeleça: uma é a do "faz-tudo" ou "apaga fogo", caracterizada pelo improviso e pela carência de reflexão educacional; a outra é voltada à formação docente e à construção de um projeto político-pedagógico com planejamento estratégico.

A formação do professor na escola

 A formação continuada de professores deve acontecer em vários níveis, não apenas na escola, como defende Renata. Como acontece com profissionais de outras áreas, também os docentes se beneficiam com o alargamento de seu repertório cultural. É importante, também, que o professor se mantenha atualizado e informado inclusive para que os encontros de formação dentro da escola sejam mais produtivos, com mais possibilidade de troca de experiências e conhecimento. "A formação continuada que acontece na escola deve centrar-se naquela realidade e nas necessidades do grupo de professores. É uma formação compartilhada, centrada nas experiências e dilemas enfrentados pelos professores empenhados na superação das dificuldades identificadas", observa Renata, diferenciando a formação continuada na escola daquela feita individualmente.

Sônia Penin, do Departamento de Metodologia de Ensino e Educação Comparada da Faculdade de Educação da USP, observa que a formação dentro da escola é essencial, porque é o único espaço de contextualização do trabalho dos professores. Fora da escola, os problemas são mais genéricos e não fazem parte daquele universo específico. "O coordenador vai focar a formação em uma situação única: naquela escola, naqueles alunos, naqueles índices, naquele cotidiano vivido pela equipe e que deve ser problematizado", pontua. A existência de processos de formação continuada individual é fundamental para que a formação seja potencializada, complementando o processo.


Fonte: 

Reproduzo em meu blog especialmente para os meus leitores que trabalham na área educacional.




Avaliar ou Examinar?




Crédito Imagem - link abaixo citado 

 

 

O texto a seguir publicado no meu blog é do interesse dos meus leitores que militam na área educacional. Vale a pena ler e refletir sobre o que diz o especialista em avaliação, Prof. Cipriano Luckesi em entrevista dada sob o título "A medida certa". 

Cipriano Luckesi defende que escolas mantêm práticas do século 16 e faz um apelo: avaliar um aluno não deve ser um ato discriminatório, mas uma estratégia a favor da aprendizagem.

 

De modernas, as práticas de avaliação atuais só têm o período histórico em que foram criadas. Isso porque ainda aferimos os resultados do processo de ensino-aprendizagem com a mesma metodologia do século 16, início da Idade Moderna. Essa é a tese de Cipriano Luckesi, que estuda o tema da avaliação há 44 anos. Na entrevista a seguir, ele observa que, embora a nomenclatura "avaliação" seja usada, o que se pratica na maioria das salas de aula são os exames, que têm como objetivo selecionar e discriminar os alunos que aprenderam dos que não aprenderam, em vez de promover um esforço para que todos aprendam.

O senhor defende que a avaliação ainda segue os moldes do século 16. Poderia explicar melhor essa ideia?

Em nossa tradição escolar, que se sistematizou a partir do século 16, perdura até hoje o modelo daquela época, chamado de "exames escolares". A tradição é de ensinar e, depois, separadamente da prática do ensino, exercitar os exames escolares. O que caracteriza o exame escolar? Ele é classificatório e seletivo, portanto o estudante que está na sala de aula pode permanecer e dar continuidade aos estudos, ou ser escolhido pela seletividade. Os exames existem há milênios como práticas sociais. Antes de Cristo, na China, já se praticava o exame para soldados. No Ocidente, a partir do século 16, surgiu a escola simultânea, ou seja, um professor que ensina muitos alunos ao mesmo tempo. Com o crescimento da quantidade de estudantes, tinha de haver um meio de aferir se eles tinham aprendido ou não, e aí importaram o modelo de examinação de outras áreas para a educação. Mas com a diferença de que na escola o aluno já tem a vaga, então só vai para aprender, e não para ser selecionado. Ainda assim, a prática é de seleção. 

Isso não mudou desde então?


A partir de 1930, o educador norte-americano Ralph Tyler começou a ponderar que não podíamos permitir a existência de uma escola que admite 100 crianças e aprova apenas 30. Era preciso encontrar uma metodologia para que a escola aprovasse as 100. E o método é aparentemente óbvio: ensina, diagnostica. O aluno não aprendeu? Ensina-se novamente, até que ele aprenda. Todavia, a escola, em função da articulação dos exames escolares, não conseguia fazer isso, o que acontece até hoje: ensinamos e aplicamos uma prova. Se o estudante foi bem, está aprovado; se não foi bem, está reprovado, e fim de conversa. No Brasil, começamos a conversar sobre avaliação em torno dos anos 70. A Lei de Diretrizes e Bases (LDB) de 1961 ainda tem um capítulo sobre os exames escolares. A de 1971 não fala mais de exames escolares, mas de aferição do aproveitamento escolar. A lei que introduziu o termo avaliação é a de 1996, ainda que estados e municípios passassem a usar o termo avaliação para denominar a prática do exame. Mudamos a terminologia e não a prática. O esforço é fazer os educadores transitarem do conceito e prática de exame para a avaliação. De maneira geral, os professores não estão preocupados se a nota revela a aprendizagem ou não. Se tem nota 7 (supondo que essa seja a média) é aprovado e, se não, é reprovado. Classificam em uma escala de 0 a 10 e em consequência disso praticam a seleção. Durante o ano letivo ele vai sendo levado, mas no final se pratica a exclusão.

 

Qual o modelo de avaliação ideal?

Não se pode fazer uma avaliação com características aleatórias. É preciso ter o rigor metodológico de uma pesquisa científica. Hoje, os exames são elaborados e aplicados sem que tenham características como sistematicidade. Para o rigor científico existir, é necessário ter como base o que foi ensinado e o que o professor quer saber se o aluno aprendeu. Então, ele obterá dados sistematicamente coletados sobre aquilo que quer compreender e avaliar. Além disso, os instrumentos devem ser elaborados com uma linguagem compreensível. O estudante precisa compreender o que está sendo perguntado. Hoje muitos não entendem o que o professor quer dizer e o educador diz "se vira". Uma terceira característica da boa avaliação é ser compatível com o ensino. Se ensinei fácil, pergunto fácil; se ensinei complexo, pergunto complexo. Os professores não levam em consideração o que foi ensinado em relação ao que precisa ser avaliado, então há uma disparidade entre a metodologia e a prática do conhecimento. A quarta característica é que as perguntas às vezes são imprecisas ou genéricas. É necessário que haja a mesma compreensão da pergunta pelo educador e pelo estudante. O que fez Dom Pedro I, por exemplo? Muita coisa! Tem de ser quando e onde. Tem de precisar a pergunta. Essas quatro características (sistematicidade, linguagem compreensiva, comprometimento metodológico do ensino e do instrumento de avaliação e precisão das perguntas) não são levadas em consideração. Quando isso acontece, o professor se engana e engana o estudante, sua família e a sociedade.

Nessa nova perspectiva, não existiria a ideia de repetência?

Não. Essa é uma palavra que precisa desaparecer do vocabulário da educação. Existem países, como a Dinamarca, em que o termo não existe nem no dicionário. Uma escola de ensino fundamental nesses países tem oito anos de escolaridade e são oito anos de aprendizagem satisfatória. No Brasil, com as múltiplas características de condições insatisfatórias de ensino, como material didático ruim, baixos salários, pouca paciência do educador em acolher o educando, entre outras, o que ocorre é que temos crianças que têm dificuldade de aprender. Mas como não há investimento para sanar essa dificuldade, elas são excluídas. Eu sou exemplo disso. Sou multirrepetente: fui reprovado três anos. Até que um dia um professor disse que se eu fosse bem ensinado, aprenderia. De lá para cá, aprendi. Hoje sou um pesquisador bem-sucedido. Alguém tem que dizer isso para os alunos. O diretor da escola precisa tomar nas mãos o destino da escola. Se tenho 10 estudantes que foram retidos em um ano, vou deixá-los retidos ou fazer ensino de qualidade para ultrapassar a defasagem? Não é só o professor que está envolvido nisso, mas a instituição escolar como um todo.

Como colocar isso em prática?

A resposta é: gestão. Precisamos deixar de caracterizar o professor como um sacerdote. Ele é um gestor. E um gestor é aquele que produz efeito. Além disso, a gestão passa pelo diretor da escola, o vice-diretor, o secretário de Educação, o supervisor, o coordenador e o professor. O discurso "tem muito aluno, muita dificuldade" é muito comum em educação. A produção de resultados efetivos é empurrada com a barriga. Vitor Paro, professor da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (Feusp), fez um estudo há 10 ou 12 anos sobre avaliação de aprendizagem em uma escola de São Paulo, que resultou no livro Fracasso escolar, renúncia à educação. Ele conta que, no primeiro dia do ano letivo do 1º ano do ensino fundamental, um educador lhe disse que dos 33 estudantes, no final 16 provavelmente seriam reprovados. Se no 1º dia de aula eu determino assim, nos outros 199 dias de aula o que vou fazer? Poderia fazer a gestão para que os 16 que eu identifico com dificuldade superem essa dificuldade. Mas se eu acredito desde o 1º ano que eles terão resultado negativo, eles terão.

Quais desafios o professor enfrenta hoje para mudar a forma de avaliar?

O primeiro é pessoal, no sentido de que fomos formados sob a égide da cultura dos exames. Na sala de aula, reproduzimos o que aconteceu conosco. O segundo é mudar o modelo dos exames, que vem do esquema de sociedade na qual eles nasceram: alguns ficam e muitos caem fora. Tem a história da educação também. São 500 anos de prática de exames escolares e isso não mudará de hoje para amanhã. Ralph Tyler começou a falar sobre avaliação em 1930 e ainda estamos tentando entendê-la e instituir uma nova prática. Trabalho com avaliação há 44 anos. Vejo mudanças. Estamos fazendo um movimento, mas ele ainda é insuficiente do ponto de vista de mudança da qualidade e da prática

Fonte:

Entrevista dada a Carmen Guerreiro, Revista Educação.


Professor aposentado da Universidade Federal da Bahia, Luckesi é bacharel em Teologia, licenciado em Filosofia, mestre em Ciências Sociais e doutor em Educação. Para ele, "avaliar é o fato de investigar, de produzir conhecimento" - é isso o que ele explica na série on-line "Gestor Escolar - Fundamentos", recém-lançada pelas Edições SM.

 http://revistaeducação.uol.com.br/textos/182/artigo260283-1.asp