27 de julho de 2012

ADVOGADOS - ERROS DE PORTUGUÊS



CRÉDITO IMAGEM - facebook.com



Não posso deixar de reproduzir no meu blog, que é lido por muitos estudantes de Direito, a notícia veiculada no site Jus Brasil: "Desembargadora repreende advogados por erros de português em petição".
 
Vamos ao texto na íntegra:
 

Erros de língua portuguesa nunca são bem recepcionados, é verdade. No entanto, quem é profissional do direito é especialmente exigente com relação a isso. E com razão: saber lidar bem com a sua língua é o pressuposto (básico) para qualquer argumentação.

Todavia, devido ao ensino deficiente nas faculdades de direito, não é muito difícil localizar erros grotescos na prática forense.

Durante o julgamento de um recurso, ao se deparar com vários erros de português, a desembargadora Sirley Abreu Biondi do TJ/RJ não se omitiu: "Insta ser salientado que os advogados que assinaram as contra-razões necessitam com urgência adquirir livros de português de modo a evitar as expressões que podem ser consideradas como injuriosas ao vernáculo".

A peça continha erros claros de ortografia, como: "em fasse", "não aciste razão", "doutros julgadores" e "cliteriosamente", devidamente sinalizados e corrigidos pela magistrada.

A desembargadora não parou por aí e prosseguiu com a lição, mas dessa vez sobre o conteúdo jurídico da peça: "acrescenta-se ainda que devem os causídicos adquirir também livros de direito, à medida que nas contra-razões constam 'pedidos' como se apelação fosse, o que não tem o menor cabimento".

Mesmo depois de uma boa aula, os advogados não se deram muito bem: a magistrada negou provimento ao recurso.

Fonte:


Nota deste blog:

O Estatuto da Advocacia e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Lei 8.906/94, estabelece no seu Art. 34, inciso XXIV, estabelece que o advogado que incidir em erros reiterados que evidenciem inépcia profissional poderá ser suspenso e, neste caso, a suspensão perdurará até que se preste novas provas de habilitação.

Erros de português reiterados caracterizam inépcia profissional.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos seu comentário. Críticas serão sempre aceitas, desde que observado os padrões da ética e o correto uso da nossa língua portuguesa.