10 de abril de 2012

Aborto – STF – Mentiras que circulam na internet


Crédito Imagem - vooindependente.com





       O Supremo Tribunal Federal (STF) deverá julgar no próximo dia 11 de abril se o aborto, nos casos de anencefalia, será legal, ficando a decisão a cargo da mãe.

       A questão é extremamente polêmica, especialmente por envolver entre as partes que se posicionam a favor ou contra, grupos religiosos.

       Diante disso, pessoas inescrupulosas que são contra o aborto, espalham na internet mentiras, trazendo uma foto de uma bebezinha com malformação na cabeça. Esse caso é revelado pelo site E-farsas, que comprova a mentira trazendo uma declaração dos pais de uma garotinha que é mostrada nas mensagens. Vejam a declaração:

       Respeito à vida na internet

       Olá amigos, infelizmente alguém, sem nossa autorização, usou uma foto da Vitória com informações incorretas e promovendo de forma polêmica e sensacionalista o compartilhamento no Facebook. Ainda que esse post tenha intenção de promover a vida, e que a pessoa tenha tido boa intenção, tem também permitido comentários ofensivos e preconceituosos a uma criança (muito) especial. Por favor, não compartilhem essa corrente e peçam que deletem os comentários ofensivos a respeito onde a tenham visto. Se desejam divulgar a história dela, o melhor é compartilhar o blog – onde há inclusive um link para compartilhamento no Facebook – e onde a sua história de vida e sua deficiência são tratadas de forma séria e respeitosa, com moderação dos comentários. Por favor, compartilhem essa mensagem.

       Joana, Marcelo e Vitória“

Veja mais sobre o assunto em:


Nota deste blog

       Não iremos expressar nossa opinião sobre o assunto. Creio que é uma questão pessoal.

       O objetivo deste post é o de demonstrar que precisamos tomar muito cuidado com aquilo que é divulgado, pois não devemos servir de instrumento para espalhar mentiras que são criadas por certas pessoas. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos seu comentário. Críticas serão sempre aceitas, desde que observado os padrões da ética e o correto uso da nossa língua portuguesa.