4 de abril de 2012

VIGIA SÓ O DICK




Imagem meramente ilustrativa
 



 

Audiência em uma Vara do Trabalho, o juiz escuta o reclamante e, em seguida, passa a tomar o depoimento pessoal do reclamado, conhecido e prestigiado advogado. 

 

O autor da demanda trabalhista sustenta haver trabalhado para o reclamado como caseiro por quase dez anos. Nessa condição postula horas extras diurnas, reconhecimento tividade de vigia da residência e as decorrências do trabalho noturno, adicional de periculosidade etc.

Segundo a petição inicial, "o empregado também cuidava da segurança da casa, já que se trata de uma mansão de notoriedade no bairro".

A contestação nega, afirmando que "o ex-empregado jamais foi vigilante e realizava apenas, ao longo de oito horas por dia, as atividades ínsitas à profissão de caseiro: limpava o pátio, recolhia as folhas em queda por força das estações outonal e hibernal, cuidava da piscina e se recolhia às suas peças às cinco da tarde". Etc.

Em outras palavras: nada de vigilância, nem de trabalho noturno.

O magistrado ensaia um intróito sobre "os tempos bicudos de insegurança na capital" e pede:

- Doutor, quem exercia a vigilância de sua moradia?

O advogado - não conseguindo disfarçar a tristeza e a decepção que a lide lhe trouxera - responde:

- Eu tive, nestes tempos todos, um único vigilante, que só deixou de realizar sua honesta atividade ao falecer no ano passado. E no lugar dele não coloquei substitutos.

O magistrado matuta alguns segundos e inicia um diálogo pergunta-responde:

- Esclareça-me se esse vigia estava registrado com CTPS assinada.

- Não senhor!

- Nome do vigilante, por favor.

- Dick !

- Diga-me o sobrenome.

- Não tinha sobrenome. Se eu fosse desrespeitoso, diria que se trata de Dick Au Au. Prefiro objetiva e respeitosamente informar que o vigia em questão era um espécime canino que atendia pelo nome de Dick e sempre foi grato aos afagos recebidos.

Gargalhas gerais sacodem a sala de audiências.

Algumas semanas depois, o reclamante tem, a seu favor, a procedência em, parte, da ação - mas só leva, mesmo, as horas extras diurnas reclamadas.

Vigia, mesmo, tinha sido só o Dick. Sem sobrenome.


Crédito:

Publicado: 
www.espcovital.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos seu comentário. Críticas serão sempre aceitas, desde que observado os padrões da ética e o correto uso da nossa língua portuguesa.