12 de maio de 2013

Aconteceu numa aula de Processo Civil



r




Não podia deixar de reproduzir no meu blog uma história contada no site Espaço Vital.

Certamente irá ser de interesse de meus leitores advogados e estudantes de Direito.

Vamos a ela 

O professor de Processo Civil - desembargador que aposentado com isenção de imposto de renda - pergunta na faculdade de Direito se algum de seus alunos conhece um caso prático que tenha resultado em condenação judicial.

Silêncio total.

- Então, pra descontrair, me falem pelo menos de alguma ocorrência inusitada na cidade de vocês - pede o mestre.

Um universitário conta, então, um caso fronteirista, anos 90. Relata que um maduro peão vai ao cinema e o porteiro pergunta:

- O que é isso no seu ombro? 

- É o Bino, meu galo de estimação, comprei na exposição de Esteio.

- Lamento, senhor, mas não permitimos animais no cinema.

O homem rude aparentemente concorda e dá meia-volta. Vai a um clube que fica a menos de duas quadras dali, entra na toalete e enfia o bicho dentro da bombacha, no baixo ventre. Volta, entra no cinema e senta-se ao lado de duas idosas, ambas viúvas.

Quando o filme começa, o fazendeiro abre a bragueta para o galo respirar e o bicho bota o pescoço pra fora, todo feliz.

Uma das idosas cochicha para a outra:

- Acho que o cara ao meu lado é um assediador, um tarado. 

- Por que? - indaga surpresa e curiosa a outra viúva.

- É que o cara botou o negócio pra fora!

- Ah, não te preocupa, na nossa idade nós já vimos de tudo.

- Eu também pensava a mesma coisa, mas o negócio tá comendo a minha pipoca!

* * * * *

Zum-zum no cinema, a luz é acesa, a projeção do filme é suspensa e o espectador inconveniente é retirado (com seu galo) para fora do cinema.

No dia seguinte, as viúvas procuram dois ou três advogados para ingressarem com ação por dano moral. 

Em vão; na cidade ninguém aceita a causa.

Fonte:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos seu comentário. Críticas serão sempre aceitas, desde que observado os padrões da ética e o correto uso da nossa língua portuguesa.